Posts encontrados com a Tag: "URUGUAY"

PANDO*

ESPECIAL URUGUAI
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN PANDO / Outubro de 2014
Estive em Pando vindo de Punta del Este e seguindo para Montevideo. É uma cidade pequena, com cerca de 30 mil habitantes e que está localizada na região metropolitana da capital uruguaia. Andei por uns 10 minutos até que encontrei a estação, que, não para a minha surpresa, encontrava-se abandonada e depredada. Pichações, abandono, cheiro de urina e alguns adolescentes curtindo a sua maconha, e bem desconfiados de mim, visto que lá, o consumo é permitido. Fora isso, a realidade ferroviária do nosso vizinho não se difere muito da nossa. Linhas extintas, prédios em ruínas ou abandonados a própria sorte e material rodante enferrujando ou apodrecendo nos pátios dos “talleres” que ainda restam em operação por lá. Andei por toda a estação, apreciei a sua bela arquitetura, lamentei o seu estado e segui viagem. Infelizmente Pando não oferecia muitos atrativos além deste velho prédio. Abaixo um texto que encontrei na inernet explicando um pouco do local:

Ubicación: Pando
Dirección: Iturria entre Gral. Artigas y 18 de Julio
Autor: Ingeniero Luis Andreoni
Año: 1882

La inauguración de la vía férrea a Pando fue producto de un largo proceso. El trazado primitivo de la línea comenzó en 1874, bajo el gobierno del Dr. José Ellauri. Al año siguiente, las obras se detuvieron. El gobierno de Latorre decidió reanudar la obra, y concedió una subvención al nuevo concesionario, Luis Ma Baena. En 1879 se culminó el tramo a Toledo, y nuevamente se paralizaron las obras hasta su concreción en 1882.

El edificio de la estación de trenes de Pando fue obra del Ing. Andreoni. Desde su inauguración no ha sido modificado. En la ceremonia oficial de inauguración del tramo de vía que unía Toledo y Pando, realizada el 12 de junio de 1882, participó el presidente de la república de entonces, el general Máximo Santos. La recepción social se realizó en el salón del teatro Apolo, congregando a autoridades y a la sociedad pandense de la época. La comitiva oficial arribó en un tren engalanado para la ocasión acompañado de una banda militar.

Al Ing. Andreoni, corresponden otras obras vinculadas al ferrocarril, como el tramo que conecta Pando a Minas, del Ferrocarril Uruguayo del Este, Pando–Minas, proyectada en 1881 e inaugurado el 6 de enero de 1889.

Luis Andreoni era originario de Vercelli, Italia, y residió en Pando durante algunos años, contribuyendo al progreso industrial de la localidad. Fue propietario del Molino Harinero del Este, y realizó varias obras de gran envergadura en el país, como la desecación del Bañado de India Muerta en Rocha, la Estación Central de Ferrocarriles, el Hospital Italiano, el club Uruguay, la Embajada de Francia y el teatro Stella de Italia.

La llegada del ferrocarril a esta región fue un gran impulso para la el desarrollo de la producción industrial que históricamente ha caracterizado a esta región del departamento de Canelones. Abaixo seguem fotos e o mapa de sua localização:

FOTOS DO LOCAL:

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.
PANORAMICA_PANDO

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

VICTOR SUDRIERS*

ESPECIAL URUGUAI
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN VICTOR SUDRIERS / Outubro de 2014
O complexo da estação Victor Sudriers é sem dúvida o cenário ferroviário mais espetacular em que já estive fora do Brasil. Andar por lá é uma volta absurda no tempo e um festival de surpresas, espantos e tristezas. O lugar é um depósito de locomotivas e um ponto de entroncamento, que até 1944 chamava-se Empalme Olmos, “Empalme” que por lá significa algo como bifurcação/entroncamento e Olmos, que é o nome do local, em homenagem a Octavio Olmos, que foi quem doou as terras para a ferrovia. Pensem numa criança que acabou de ganhar um brinquedo novo no natal! Mas não era somente um brinquedo qualquer, era o complexo todinho de Victor Sudriers, e isso, sinceramente, só vão entender os apaixonados pelo tema ferroviário e quem explorar cada cantinho do lugar, como eu fiz. Trouxe fotos em quantidade e também vídeos, que futuramente editarei e publicarei aqui para enriquecer ainda mais a postagem, mas por enquanto, venham comigo viajar nas fotos deliciosas, de um passado ferroviário tão decadente quanto o nosso, e tudo aqui, bem do ladinho, no belo, charmoso e pequenino Uruguai. As oficinas dali foram fechadas em 1953 e tiveram suas atividades mudadas para os “talleres” de Peñarol, onde também estive. Mais tarde, em 1975 retornaram numa configuração bem mais modesta. A ferrugem é abundante, o grande girador, a enorme caixa-d’água, os vagões de madeira, as flores que crescem sobre os antigos desvios abandonados, que cenário! Corri por lá, enquanto a Néia (minha mulher) me seguia e me fotografava com todo aquele furor. Guindaste, plataforma, dísticos, placas, oficinas, cabine de controle, aço, ferro, madeira velha, tudo ali, pronto para ser registrado e, creiam, se eu pudesse, dormiria ali para poder explorar mais e mais, porém, tinha que seguir adiante e novamente acelerei o passo para registrar o máximo que pudesse. Fica aqui registrado o meu agradecimento ao segurança do local, cujo nome me foge da memória, que foi extremamente cordial e me deixou andar pelo local sem ressalvas, ato que, nos dias futuros, eu perceberia ser bastante raro, pois no complexo de Peñarol, nem entrar alguns metros eu pude. Normalmente publico aqui apenas as minhas percepções acerca dos temas e locais visitados, porém acho que este trecho retirado da Wikipedia pode ser complementar e ajudar a criar um clima adequado para quem se puser a ver todas as fotos com olhos atentos e espírito receptivo, espero que façam uma grande viagem, assim como eu fiz quando estive lá e também agora, ao escrever este post. Abaixo o texto:

“El primer asentamiento moderno data del siglo XIX aunque su establecimiento definitivo está relacionado con la instalación del ferrocarril. Si bien se pueden encontrar referencias al paraje desde 1726, en el reparto de tierras a los primeros pobladores de Montevideo, que realizó Pedro Millán.

La historia de Empalme Olmos comienza en 1890 cuando en la zona comenzaron los trabajos para construir el empalme de la ya existente línea férrea denominada North Eastern Uruguay Railway (Ferrocarril a Minas desde 1889), con una nueva línea hacia el este (Maldonado y Rocha) que se donominaba Uruguay Great Eastern Railway (UGER). Los campos ubicados en la séptima sección judicial del departamento de Canelones, donde se llevaban a cabo estos trabajos fueron donados por Octavio Olmos, es así que en agradecimiento a él, el lugar pasó a denominarse Empalme Olmos. Poco tiempo después en el mismo lugar se construyó una precaria estación, y más tarde en 1890 se construyeron algunos galpones que oficiaban como talleres, donde las empresas realizaban la reparación y mantenimiento del material rodante.

En 1894 y luego de que la empresa Uruguay Great Eastern Railway abandonara los trabajos en la línea a Rocha por conflictos con el Estado, la empresa North Eastern Uruguay Railway retoma esos trabajos. Esto llevó a la ampliación de los talleres en el empalme, atrayendo nuevos pobladores a la zona. Además la propia empresa construyó viviendas y oficinas para su personal.

Finalmente el 21 de mayo de 1895 se inauguró el tramo entre Empalme Olmos y la estación La Sierra (hoy Gregorio Aznárez), la que sería destino de línea hasta el año 1909. En ese mismo año la empresa decidó además instalar allí sus grandes talleres, encargados de la reparación y mantenimiento de todo el material perteneciente a la línea.

Es así que por convención se toma la fecha del 21 de mayo de 1895 como fecha de fundación de la localidad de Empalme Olmos, ya que fue el tren y las compañías las que atrajeron a sus pobladores.

El 1 de enero de 1919 la línea pasa a manos del Estado, mientras que en 1920 se creó la Administración de Ferrocarriles y Tranvías del Estado (FTE), por lo que la línea pasó a ser administrada por este organismo.5 Para ese momento Empalme Olmos era un próspero pueblo que ya contaba con varios comercios. Por lo que hoy es la ruta 8, pasaba en aquel entonces el camino a Maldonado, el cual se unía a la localidad a través de un modesto camino que posteriormente se convertiría en la actual Avda. Luis A. De Herrera. Este camino pasó a ser de cemento para el año 1926, material fue importado desde Alemania.

En 1931 se inauguró el actual edificio de la escuela en predio donado por la FTE, mientras que el servicio de energía eléctrica para toda la población llegó en 1934, ya que hasta ese momento la empresa de ferrocarril suministraba corriente a las viviendas de sus empleados. En 1935 se inaugura el actual edificio del Club Social Uruguayo del Este, centro de la actividad social del pueblo.

El 26 de marzo de 1937 comenzó a funcionar en la localidad una empresa de azulejos, cuyos pioneros fueron Carlos von Metzen von Bülow, Ricardo Rodolfo Bayer y su hijo Rodolfo Ricardo. Más tarde en 1942 con la expansión de la compañía surge la marca Olmos. En 1945 Oscar Sena pasa a formar parte de la compañía, surgiendo así Metzen y Sena. En años posteriores esta empresa local pasó a producir además, porcelana sanitaria y vajilla de porcelana.

El 24 de abril de 1944 la estación Empalme Olmos cambió su nombre al de Estación Ingeniero Víctor Sudriers. En 1953 se desmanteló gran parte de los talleres trasladándose toda la actividad a los talleres de Peñarol, ya que para el año 1949 se había llevado a cabo la fusión de los ferrocarriles británicos adquiridos en 1949, con los Ferrocarriles y Tranvías del Estado y se había creado la Administración de Ferrocarriles del Estado (AFE). Estos talleres fueron reabiertos el 28 de octubre de 1975 pero con un número inferior de trabajadores.

En 1961 se termina de construir la Parroquia Santa Rosa de Lima, centro religioso de la localidad. El 26 de febrero de 1971 OSE inaugura la red de distribución de agua potable con una longitud de 1500 metros y su tanque de depósito con 40.000 litros de capacidad. En 1987 se oficializa el Liceo de Empalme Olmos. El 2 de enero de 1988 se suprimen todos los servicios de trenes de pasajeros generando problemas de transporte. En 1990 comienzan los cursos de la UTU a formar jóvenes para distintas especialidades.”

Abaixo seguem fotos e o mapa de sua localização:

FOTOS DO LOCAL:

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.
PANORAMICA_VICTOR_SUDRIERS_03

PANORAMICA_VICTOR_SUDRIERS_02

PANORAMICA_VICTOR_SUDRIERS_01

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

DR. LORENZO CARNELLI*

ESPECIAL URUGUAI
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN DR. LORENZO CARNELLI / Outubro de 2014
Dr. Lorenzo Carnelli está pouco à frente da estação central (General Artigas), no sentido do bairro Peñarol. Seu nome é uma homenagem a um político e advogado uruguaio falecido em 1960. A estação, pelo que pude perceber, é uma base de controle da AFE (Administración de Ferrocarriles del Estado) e por lá, existem vários desvios e ramais ainda ativos. O lugar é bem no meio da zona portuária de Montevideo e deve possuir um movimento relativamente alto de trens de carga, porém no dia em que estive por lá, não havia trens em atividade. Andei pelo local, fui logo colhendo imagens e vídeos, pois um segurança que estava “me mirando” de dentro de uma cabine, de bate-pronto já me olhou e ficou me acompanhando o tempo todo, bem desconfiado das minhas intenções por aquelas bandas. Depois de alguns poucos minutos explorando, fui até próximo dele e, adivinhem? Fui convidado a retirar-me dali, sob os argumentos de que é uma área privativa e portanto, proibido de se filmar qualquer coisa. Tentei argumentar num portunhol sofrível, na esperança de despertar nele um sentimento de piedade (pela vergonha/vergüenza*) que eu estava passando ali naquele momento, mas nem isso o abalou e, sendo assim, tive que partir. Ainda enrolei um pouco, andei pelos trilhos, fotografei a cabine de controle, a plataforma, as placas e plaquetas e pude respirar um pouco daquele ar portuário/ferroviário exalado num dia de céu azul maravilhoso. Espero que gostem das imagens (o mini-filme, estará disponível num momento futuro, pois é mais complexo de se fazer, o que demanda mais tempo e cuidado) e, se forem a Montevideo, forem fãs do tema férreo, dêem uma passadinha por Lorenzo Carnelli, nem que for para encher a paciência daquele segurança emburrado, rerere… Abaixo um pouco mais de informação sobre Dr. Lorenzo Carnelli, retirada da Wikipédia:

“Diputado electo por Montevideo en 1913, aunque no ocupó su banca; posteriormente fue electo por Durazno en 1917; integró la Asamblea Constituyente en 1916 y 1919; en 1921 fue miembro del Directorio de la Caja de Jubilaciones.En su labor parlamentaria cabe destacar: ley de la Caja de Jubilaciones y Pensiones, ley de trabajo nocturno, ley de vivienda decorosa, prevención de accidentes, descanso semanal, licencia obligatoria, salario vacacional, además de su prédica por la acción organizada de los trabajadores en los sindicatos. Se afiliaba ideológicamente a los postulados del socialismo utópico; admiraba a Robert Owen, Charles Fourier y Louis Blanc. Aún siendo blanco, era pues cercano en su pensamiento al batllismo, aunque considerándose “adelantado a éste en ideas”. Es recordado por su ruptura con el Partido Nacional, para fundar el Partido Blanco Radical (1925-1933). Una notoria consecuencia de las mismas, se vio en las elecciones de 1926, en las cuales perdió Luis Alberto de Herrera por apenas un 1%, y habiendo obtenido Carnelli un 2,2%. Escribió varias obras de carácter jurídico, entre las cuales se destacan Cuestiones de procedimiento civil, La premeditación en el Código Penal uruguayo; y obras de carácter historiográfico, como Oribe y su época o sus notas sobre Pablo de María.”

Abaixo seguem fotos e o mapa de sua localização:

FOTOS DO LOCAL:

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
PANORAMICA_LORENZO_CARNELLI

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

COSTA AZUL*

ESPECIAL URUGUAI
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN COSTA AZUL / Outubro de 2014
Costa Azul é uma estaçãozinha bem simpática, que me chamou a atenção pela sua simplicidade e capacidade de resistir por anos da mesma maneira que sempre existiu, como um simples vagão de madeira ao lado do leito da antiga linha que já não existe mais. Costa Azul é uma vila ao lado do porto de La Paloma e, por lá, o vagãozinho se exibe solitário ao lado de uma estrada de terra clara e batida que liga a vilinha a cidade de La Paloma, pouco a frente. Encontrá-la foi fácil, mas deixá-la foi um pouco mais difícil, pois fiquei ali por alguns minutos me deliciando com aquela cena exótica, do vagãozinho sob um céu maravilhosamente azul, sabendo que a poucos metros dali, estava o mar (ou o Rio da Prata), pois por lá, nunca se sabe se é o mar ou o rio que você vê. Ela está 27 metros acima do nível do mar, segue ainda forte, com sua placa de identificação em concreto (padrão por lá, como pude ver em muitas outras também visitadas), estava fechada e obviamente bastante envelhecida pela exposição ao clima e ao tempo. Não consegui saber se serve de moradia ou tem alguma outra função mas, para mim, apenas ter tido a oportunidade de olhá-la de perto, mesmo que por alguns minutos somente, já foi gratificante demais. De lá, seguimos para La Paloma, esta sim fica bem de frente para o mar, ops, para o Rio da Prata… ou seria mar mesmo? Rerere, vai saber né?

Abaixo seguem fotos e o mapa de sua localização:

FOTOS DO LOCAL:

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.
PANORAMICA_COSTA_AZUL

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

BALNEARIO SOLÍS*

ESPECIAL URUGUAI
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN BALNEARIO SOLÍS / Outubro de 2014
Estive no Balneario Solís vindo de Punta Del Este, sentido Montevideo, num dia nublado, porém muito bonito. A estaçãozinha fica bem próxima a uma parada (conveniência?) chamada Los Cardos, logo após a ponte sobre o Arroyo Solís Grande, no entroncamento da Ruta Interbalnearia com a Ruta 9 a uns 300 metros adentro seguindo uma estradinha de terra. Não consegui imagens de detalhes dela, pois 3 Pitbulls faziam a guarda da estação, e  só me dei conta, quando já estavam ao meu redor, então usei a estratégia de fazer cara feia, não  arredar o pé, tirar as minhas fotos e sair tranquilamente. Deu certo, mas deu medo, rerere… Por lá, reside uma família, mas não consegui conversar com eles, apenas vi uma mulher e uma criança, que logo entraram na estação, atual casa deles. Abaixo um pouco da história do local, que retirei da Wikipedia:

“Desde sus comienzos se relacionó con su actividad turística, el balneario era visitado en sus inicios por los ingleses, que en ese momento se encargaban de la construcción y administración del ferrocarril. Las primeras edificaciones del balneario datan de la década de 1940, contando en 1950 ya con 3 hoteles, el Hotel Solís, el Hotel Chajá y el Hotel Alción. Este último hotel es el único que sigue funcionando y en donde se ubica la colonia de vacaciones del Sindicato Médico del Uruguay.”

Abaixo seguem fotos e o mapa de sua localização:

FOTOS DO LOCAL:

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.

PANORAMICA_BALNEARIO_SOLIS

BEM-VINDOS!

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

PEÑAROL*

ESPECIAL URUGUAI
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN PEÑAROL / Outubro de 2014
A estação Peñarol, está localizada no bairro homônimo na cidade de Montevideo e, hoje serve como base local da AFE – Administración de Ferrocarriles del Estado e também como um museu. O prédio da estação assim como o seu entorno foi restaurado recentemente e está em boas condições. Por lá o clima ferroviário se faz presente por todo lado, pois bem em frente, existe um grande pátio férreo, casas de conserva, oficinas, cancelas, cabines de controle, enfim, um prato cheio para os aficcionados pelo tema. O complexo começou a funcionar em 1891 e hoje, apesar do ar de abandono, ainda serve como depósito de locomotivas, aonde não pude de forma nenhuma entrar para documentar. Ter estado por lá, valeu cada segundo e me rendeu um amigo, Eduardo Burgos, que me apresentou o local e foi extremamente gentil. Valeu.

Abaixo seguem fotos e o mapa de sua localização:

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.