Posts encontrados com a Tag: "TRENES URUGUAY"

LA FLORESTA*

ESPECIAL URUGUAI
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN LA FLORESTA / Outubro de 2014
A estação La Floresta está a pouco mais de um quilômetro do balneário homônimo, na antiga e desativada linha que ligava Montevideo a Punta del Este. Com uma população de aproximadamente 1.500 habitantes, o local está entre as estações de Parque del Plata e Piedras de Afilar, bem no meio de uma floresta (?) de eucaliptos, de onde imagino derivar o seu nome. Fui até lá acompanhado da Néia, minha esposa e por lá, explorei todo o local, atualmente convertido em uma espécie de pronto-socorro, fechado naquele dia. Um armazém feito de chapas de metal, bem ao estilo de outros que vi por lá, completava o complexo da estaçãozinha, com postes de sinalização férrea, linha ainda com lastro, dormentes e trilhos seccionados e algumas placas. É um local tranquilo, e que deixa claro a passagem do tempo, gerando uma certa melancolia. Como o céu estava nublado, é possível que o ar de abandono, misturado com ferrugem tenha me contaminado um pouco. Imagino que do outro lado da Rota Interbalneária, onde estão as praias do local, a coisa seja bem mais bela e convidativa, mas neste dia, não tive tempo para conhecer praias, pois minha opção, eram as estações uruguaias. De lá seguimos rumo a Montevideo, parando a cada estação encontrada…

Abaixo seguem fotos e o mapa de sua localização:

FOTOS DO LOCAL:

 

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.
PANORAMICA_LA_FLORESTA

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

PIEDRAS DE AFILAR*

ESPECIAL URUGUAI
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN PIEDRAS DE AFILAR / Outubro de 2014
Fui até Piedras de Afilar para ver de perto a antiga estação que fica na linha que liga Montevidéu a Rocha ao norte do país, numa viagem em que visitei 25 estações. Piedras de Afilar é um povoado pequeno, que em 2011 contava com apenas 132 habitantes e em 2014 não me pareceu ser muito diferente disso. Chegar até o povoado envolve boa dose de espírito aventureiro, já que a estrada de terra batida não era tão batida assim e o veículo em que estávamos não era o mais adequado para a tarefa. Chegando, vi um prédio simpático, bem ao estilo de outros da mesma linha que havia visitado anteriormente, feito de chapas de lata e madeira, com um telhado vermelho que dava um charme ao local (para quem conhece, lembra o estilo construtivo do antigo casario do bairro argentino de La Boca, onde as casas eram feitas com restos de material náutico, pois está ao lado de um porto e este era um material barato e farto na época). Não havia dísticos no prédio, mas sua plataforma estava lá, a linha que há muito não é usada também marca presença, um grande armazém (também de lata) construído pouco a frente da estação chama a atenção pelo seu tamanho, e indica que por ali antigamente deveriam ter escoado bons volumes de mercadorias, os mastros altos e imponentes, embora enferrujados se fazem notar de longe, as placas de quilometragem e altitude em concreto que nem o tempo foi capaz de vencer dão a identificação ao lugarejo, de uma maneira bem simpática e saudosa. Piedras de Afilar dista 83Km da capital Montevidéu, pelo menos é o que a placa diz, e está no município de Soca, no estado de Canelones. Explorei todo o lugar, gastei o meu “portunhol” com o pessoal de lá, mas pouco sabiam sobre a história do trecho e de lá continuei viagem sentido capital. Piedras de Afilar é daqueles lugares em que o tempo parou e justamente por isso, eu parei por lá.

Abaixo seguem fotos e o mapa de sua localização:

FOTOS DO LOCAL:

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.
PANORAMICA_PIEDRAS_DE_AFILAR_01

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

PANDO*

ESPECIAL URUGUAI
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN PANDO / Outubro de 2014
Estive em Pando vindo de Punta del Este e seguindo para Montevideo. É uma cidade pequena, com cerca de 30 mil habitantes e que está localizada na região metropolitana da capital uruguaia. Andei por uns 10 minutos até que encontrei a estação, que, não para a minha surpresa, encontrava-se abandonada e depredada. Pichações, abandono, cheiro de urina e alguns adolescentes curtindo a sua maconha, e bem desconfiados de mim, visto que lá, o consumo é permitido. Fora isso, a realidade ferroviária do nosso vizinho não se difere muito da nossa. Linhas extintas, prédios em ruínas ou abandonados a própria sorte e material rodante enferrujando ou apodrecendo nos pátios dos “talleres” que ainda restam em operação por lá. Andei por toda a estação, apreciei a sua bela arquitetura, lamentei o seu estado e segui viagem. Infelizmente Pando não oferecia muitos atrativos além deste velho prédio. Abaixo um texto que encontrei na inernet explicando um pouco do local:

Ubicación: Pando
Dirección: Iturria entre Gral. Artigas y 18 de Julio
Autor: Ingeniero Luis Andreoni
Año: 1882

La inauguración de la vía férrea a Pando fue producto de un largo proceso. El trazado primitivo de la línea comenzó en 1874, bajo el gobierno del Dr. José Ellauri. Al año siguiente, las obras se detuvieron. El gobierno de Latorre decidió reanudar la obra, y concedió una subvención al nuevo concesionario, Luis Ma Baena. En 1879 se culminó el tramo a Toledo, y nuevamente se paralizaron las obras hasta su concreción en 1882.

El edificio de la estación de trenes de Pando fue obra del Ing. Andreoni. Desde su inauguración no ha sido modificado. En la ceremonia oficial de inauguración del tramo de vía que unía Toledo y Pando, realizada el 12 de junio de 1882, participó el presidente de la república de entonces, el general Máximo Santos. La recepción social se realizó en el salón del teatro Apolo, congregando a autoridades y a la sociedad pandense de la época. La comitiva oficial arribó en un tren engalanado para la ocasión acompañado de una banda militar.

Al Ing. Andreoni, corresponden otras obras vinculadas al ferrocarril, como el tramo que conecta Pando a Minas, del Ferrocarril Uruguayo del Este, Pando–Minas, proyectada en 1881 e inaugurado el 6 de enero de 1889.

Luis Andreoni era originario de Vercelli, Italia, y residió en Pando durante algunos años, contribuyendo al progreso industrial de la localidad. Fue propietario del Molino Harinero del Este, y realizó varias obras de gran envergadura en el país, como la desecación del Bañado de India Muerta en Rocha, la Estación Central de Ferrocarriles, el Hospital Italiano, el club Uruguay, la Embajada de Francia y el teatro Stella de Italia.

La llegada del ferrocarril a esta región fue un gran impulso para la el desarrollo de la producción industrial que históricamente ha caracterizado a esta región del departamento de Canelones. Abaixo seguem fotos e o mapa de sua localização:

FOTOS DO LOCAL:

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.
PANORAMICA_PANDO

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

GENERAL ARTIGAS*

ESPECIAL URUGUAI
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN GENERAL ARTIGAS / Outubro de 2014
Inaugurada em 1897, a Estação Central General Artigas encontra-se atualmente abandonada e servindo apenas como abrigo de mendigos ao redor da sua imensa e imponente fachada/marquise. Pilastras grandiosas, sinalização dos guichês de venda de bilhetes, suportes das placas da época, mãos-francesas, enfim, tudo isso ainda resiste por lá, junto com o incrivelmente forte odor de urina e fezes, que satura o local. Andei por toda a estação mas não pude entrar, pois estava trancada e pelo que pude constatar, não há atividade dentro dela, restando por parte da população a esperança de uma reativação para algum fim comercial, o que sinceramente não sei se acontecerá num futuro próximo. Projetada pelo engenheiro e arquiteto italiano Luigi Andreoni a estação homenageia o General José Gervasio Artigas, uma sumidade por lá, visto que a principal avenida da cidade (a que leva a gente para todo lugar) também leva o seu nome, e logo de cara, me levou a perceber que o homem era de extrema relevância para aquele país (me instigando a pesquisar mais sobre a vida dele no meu retorno ao Brasil). A estação foi fechada ao público em 2003 e desde então agoniza em silêncio. Eu, como vejo beleza em tudo (ou quase), quando o assunto é relacionado ao tema ferroviário, me deliciei andando e observando cada detalhe por lá, mesmo tendo que inspirar aquele odor fétido que o lugar exalava. Para os interessados, abaixo um pouco da história do local, que retirei da Wikipedia:

“La Estación Central General Artigas (Montevideo, Uruguay) fue inaugurada el 23 de junio de 1897, siendo librada al servicio público el 15 de julio de ese año y clausurada el 1 de marzo de 2003, reemplazada por un apeadero 500 metros hacia el norte. A consecuencia de esto, los trenes perdieron 100.000 pasajeros por año. El 14 de diciembre de 1891 un incendio destruyó la antigua estación de Montevideo. El Ferrocarril Central comenzó entonces a construir el edificio actual. Los trabajos se iniciaron en 1892 y la piedra fundamental fue colocada el 27 de agosto de 1893. Entre el incendio y la inauguración, se instaló una estación provisoria detrás de la obra.

El edificio actual.
La Estación Central fue inaugurada el 23 de junio de 1897, siendo librada al servicio público el 15 de julio de ese año. El diseño fue del ingeniero Luis Andreoni. En 1912, con la culminación de las obras del puerto de Montevideo, se conecta la vía de la calle Río Negro con las vías de la terminal marítima, a la altura de la calle Río Branco. Posteriormente, una vez ganado terreno al mar al costado de la rambla, se construye otra conexión del lado de la rambla casi la calle Guatemala. En 1930 las boleterías, que se encontraban sobre la calle Río Negro, fueron trasladadas al gran hall central, hasta ese entonces ocupado por el restaurante. El 31 de enero de 1949 se coloca una placa en homenaje a la nacionalización de los ferrocarriles. El 19 de noviembre de 1952 el Ferrocarril Central del Uruguay (FCCU) y los Ferrocarriles y Tranvías del Estado (FTE) se fusionan en la Administración de Ferrocarriles del Estado (AFE). En 1955 el Poder Legislativo le dio el nombre de “Estación Central José Artigas”. El nombre actual, “Estación Central General Artigas”, data de 1974. Fue declarada Monumento Histórico Nacional por la Resolución 1097/975 del 8 de julio de 1975. En 1977, coincidiendo con la puesta en servicio de los trenes rápidos Ganz Mavag, el hall de la Estación fue modernizado, dándole el aspecto que hoy presenta. El 2 de enero de 1988, al suprimirse todos los servicios de pasajeros, la estación se utilizó para exposiciones de diversa índole, mientras que las oficinas permanecieron allí y su playa de carga y de maniobras estuvo continuamente en actividad. Conciertos de Duran Duran y Iron Maiden (entre otros) fueron ofrecidos allí, utilizando la zona de vías como escenario y platea. A partir de 1991 comenzaron a circular trenes especiales de pasajeros hacia diversos puntos del país partiendo de Estación Central. El 25 de agosto de 1993 se reiniciaban los servicios regulares de pasajeros entre Montevideo y 25 de Agosto partiendo desde la Estación Central.”

Abaixo seguem fotos e o mapa de sua localização:

FOTOS DO LOCAL:

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.
PANORAMICA_GEN_ARTIGAS

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

GARZÓN*

ESPECIAL URUGUAI
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN GARZÓN / Outubro de 2014
Pueblo Garzón é uma cidadezinha ao melhor estilo “Velho Oeste” americano, situada no Departamento (estado/província) de Maldonado – UY e por lá vivem hoje, cerca de 198 pessoas, que pelos idos de 1908 eram em torno de 2.000 e muito dessa densidade populacional provavelmente deveu-se à ferrovia. Hoje a cidade (Pueblo ou Vila, como quiserem) está praticamente abandonada e o principal atrativo é o Restaurante e Bodega “El Garzon” do Chef argentino Francis Mallmman, local aonde pudemos conhecer rapidamente, pois tínhamos que seguir nossa jornada. Também existem vinícolas por lá. A estação, hoje desativada, está localizada fora da vila, porém logo na entrada, vindo por uma estrada de terra batida. Está em pé, com placas, pátio, plataforma e um frontão de entrada lindíssimo. Outro elemento de charme são as enormes palmeiras que nos acompanham até o prédio e lá nos fazem companhia durante a exploração do lugar. Havia algum tipo de reforma em curso, mas absolutamente ninguém por perto, então pude ver em detalhes e calmamente cada fresta desta jóia ferroviária dos nossos irmãos uruguaios. Com a desativação do trecho ferroviário que ligava Montevideo a Rocha e que, por ali mantinha trens com 4 freqüências diárias, a cidade se limitou a ter a Ruta 9, há 11 Km dali, como única via de acesso, desestimulando assim um crescimento maior do lugarejo. Eu fui, vi e curti. Para quem gosta de lugares rurais, calmos e pequenos, vale a visita. A propósito, a palavra “Garzón” é derivada do francês e significa “Muchacho” ou “Mozo” (rapaz, jovem ou moço em português).

FOTOS DO LOCAL:

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.

PANORAMICA_GARZON

Jamais esquecerei esta vista.

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.