Posts encontrados com a Tag: "SÃO PAULO"

COBIÇA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 19.05.2012
DESTINO: Estação Cobiça
LOCALIZAÇÃO: Município Altinópolis – SP
COORDENADAS: 20°59’08″S 47°14’53″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, apenas alguns trechos
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1927
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro São Paulo e Minas
STATUS DO PRÉDIO: Demolido, um rancho foi construído sobre a sua base
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Jeferson Tomaz Querino e Vinicius Costa

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Localizada entre as estações de Pio Alves e Antonio Justino, Cobiça nos deu trabalho para ser encontrada. Na primeira tentativa, a chuva intensa e o barro nos venceram facilmente, pois transitar por lá era muito difícil e a navegação impossível (talvez pelas ondas da enxurrada, até pudesse ser, rerere…). Brincadeiras à parte, voltemos a Cobiça, hoje por lá, existem alguns ranchinhos, e não deu para saber se a área foi alvo de posseiros, ou a ocupação é legal. Isso posto, o fato é que as casas estavam fechadas, nos impossibilitando de conseguir melhores imagens da velha estação, que já nem existe mais. No seu lugar, uma casinha simples foi erguida (provavelmente aproveitando a antiga plataforma), e é a sede de um dos ranchos. Em frente, uma capelinha em ruínas ainda dá o tom religioso ao local. Andamos por lá, vimos tudo, os restos da linha, ainda com trilhos aparentes, algumas placas denominando os ranchos, sempre com o tom ferroviário (vejam o mini-filme e as fotos abaixo) bastante presente. Era de manhãzinha e o frio era nosso companheiro por lá, o que ajudou bastante a compor o clima nostálgico e aventureiro. As exuberantes plantações de café nos arredores de Cobiça, são um capítulo à parte, lindas de morrer, pena não ter trazido algumas imagens delas para vocês. Eu e o meu sobrinho Jeferson fomos o trajeto todo na caçamba da “Pretona” curtindo o vento no rosto e as paisagens nos olhos, enquanto o “Benício” dirigia. Cobiça não existe mais enquanto estação ferroviária da antiga Estrada de Ferro São Paulo e Minas, mas pelo que vi, continuará ainda existindo por muito tempo, como refúgio de alguém, que valoriza a história ferroviária. Nem que seja apenas mantendo a plaquinha temática na entrada…

FOTOS DO LOCAL:


MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER COBIÇA

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

GATO PRETO

DATA DA EXPEDIÇÃO: 28.06.2012
DESTINO: Estação Gato Preto
LOCALIZAÇÃO: Município Cajamar – SP
COORDENADAS:  23°21’53.99″S 46°50’57.28″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim (somente em alguns trechos)
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1914
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Perus-Pirapora
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, servindo de moradia
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Daniel Calil

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
A antiga estação Gato Preto levava o nome do bairro homônimo situado na cidade de Cajamar, e foi construída para transportar a cal produzida ali, para a linha da São Paulo Railway em Perus, São Paulo. Depois de muita pesquisa em diversos sites, decidi ir até lá e ver de perto tudo o que tinha sobrado daquele projeto, que inicialmente tinha o intuito, ou melhor, pretexto de ligar Perus a Pirapora do Bom Jesus, para transportar romeiros, mas que jamais foi concluída, tendo assim, Gato Preto como seu ponto final e nunca Pirapora do Bom Jesus. Segui para lá juntamente com meu sócio Daniel Calil, andamos pelos arredores, aonde fomos bem recebidos pelos moradores locais e tivemos até o apoio de um deles como guia (vide a voz dele no mini-filme, descrevendo o local), o que facilitou muito a nossa expedição. Caminhamos por lá, vimos todo o material rodante abandonado e semi-destruído que ainda está no galpão da antiga oficina, vimos no mínimo, umas 6 locomotivas a vapor abandonadas e corroídas, também nos chamou a atenção o estado dos galpões, todos muito mal conservados, com seus telhados caindo, enfim, uma tristeza só. Cercado por muita lenha cortada e empilhada, a oficina fica a uns 200 metros do prédio da antiga estação, que hoje serve como moradia para uma (talvez até mais) família, que gentilmente nos deixou ver de perto o local. A área está tombada, o que ao meu ver, não ajudou em nada a mantê-la viva, servindo e atuante, seja sob o aspecto prático e produtivo, ou mesmo educativo e cultural. A luz daquele local era algo impressionante, exploramos cada detalhe de cada entranha por onde passamos, e a sensação era um misto de indignação e esperança, pois se aquilo tudo ainda (sim, ainda…) está lá depois disso tudo, quem sabe não seja um sinal de que ainda há algum jeito? Gato Preto está documentada abaixo, através de uma grande galeria de fotos e um mini-filme rico em detalhes, para que conheçam e tenham consciência do que ainda resiste em nosso país, apesar de tudo que tem sido feito contra. Que lugar!

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.