Posts encontrados com a Tag: "SÃO CARLOS"

RESFRIADO

DATA DA EXPEDIÇÃO: 28.04.2012
DESTINO: Estação Resfriado
LOCALIZAÇÃO: Município São Simão – SP
COORDENADAS: 21°25’15″S 47°34’46″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1893
CONSTRUÇÃO: Companhia Melhoramentos de São Simão
STATUS DO PRÉDIO: Demolido, nada restou no local
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Jeferson Tomaz Querino

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
A estação Resfriado foi construída pela Companhia Melhoramentos de São Simão por volta de 1893, e estava logo após a cidade, ao norte, bem próxima do distrito de Bento Quirino, no sentido de quem segue para Serra Azul. A antiga linha fazia uma volta ao redor do Morro do Cruzeiro e seguia para a Fazenda Santa Maria, Tamanduazinho e Serra Azul posteriormente. Hoje por lá, nada mais encontramos, a não ser “posseiros” bastante desconfiados e um tanto quanto arredios, o que nos obrigou a documentar o local de forma sucinta e objetiva, o que não foi um problema, visto que o local não oferece grandes predicados a ponto de nos prender por muito ali. Uma árvore marca o local da velha estação, andei por lá, olhei cada detalhe, mas sinceramente, não vi nenhum sinal de que ali tenha existido alguma construção, porém a cana está por todo lado e o chão já foi revirado inúmeras vezes, o que dificulta bastante a localização de qualquer resquício. Pela vista aérea do local, percebe-se um corte que assemelha-se ao antigo leito passando bem próximo dali, o que pode e provavelmente indica que o local era ali mesmo, porém sem maiores provas disso. Caso alguém possua dados relevantes e complementares, podem me enviar que posto como colaboração com os devidos créditos. O nome Resfriado nunca me saiu da cabeça, teria sido ele por conta do abastecimento das Maria-Fumaça com água? Enfim…

FOTOS DO LOCAL:


MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
POSTER RESFRIADO

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

BETA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 14.04.2012
DESTINO: Estação Beta
LOCALIZAÇÃO: Município São Simão – SP
COORDENADAS: 21°23’25″S 47°40’10″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1913
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Demolido, nada restou no local
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Jeferson Tomaz Querino

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Beta é uma estação pouco conhecida, pelo menos, o material de pesquisa disponível sobre ela é bem escasso. Andando pela região, consegui colher alguns relatos num evento ferroviário da extinta E.F.S.P.M. (Estrada de Ferro São Paulo e Minas) na antiga estação em Bento Quirino, aonde dois ex-maquinistas, se referiam-se a ela como “Bêta”, mas disseram nada ter sobrado dela, e nesse ponto estavam corretíssimos, mas ainda assim, fui até o local para garantir né? Chegando lá, não encontrei nada a não ser o possível local da sua localização, é uma área descampada e dá para perceber claramente por onde o antigo leito do troco original da Cia. Mogiana passava. Hoje apenas algumas árvores marcam o local. Aparentemente as informações batem, e ali tem toda a cara de ter sido realmente o lugar aonde a velha estaçãozinha viveu por mais de 50 anos. Um detalhe importante é que o lugar está no município de São Simão, próximo a antiga estação Tibiriçá (também desativada), e não em Cravinhos, como tenho encontrado relatado em pesquisas. Tudo hoje está no meio da cana… Mas ao escrever esta frase penso: Tudo o quê? Por lá não há nada….

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER BETA

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

CORONEL MANOEL JOAQUIM

DATA DA EXPEDIÇÃO: 05.01.2013
DESTINO: Estação Coronel Manoel Joaquim
LOCALIZAÇÃO: Município Guaxupé – MG
COORDENADAS: 21°18’35″S 46°39’48″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1913
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, cercado, particular e aparentemente servindo de depósito
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Marcelo Freitas

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Estive em Coronel Manoel Joaquim em Guaxupé, em dupla com o meu amigo e xará Marcelo Freitas e de antemão já adianto, não foi nada fácil chegar até ela. Desde informações desencontradas, passando por porteiras fechadas, cercas de arame farpado por todo lado, imensidões de pés de café morro acima e abaixo dificultando a nossa navegação, até desembocarmos num lamaçal horrível (pois havia chovido torrencialmente do dia anterior por aquela região), tudo parecia jogar contra a localização da velha estação naquele dia. Mas nada disso nos deteve. Ziguezagueando no entremeio do cafezal de uma fazenda (de nome Nova Floresta se não me engano), encontramos resquícios do antigo leito, uma ponte pequena, aonde a linha passava por baixo, e que ainda guardava parte importante da sua essência, como o gradil e uma espécie de corrimão. Tudo obviamente muito desgastado pela ação do tempo, mas que, ao olharem pelas fotos e mini-filme, verão o quão charmosa é a estrutura, e de lá, conseguimos sair bem em frente ao prédio, porém ao chegarmos mais perto, percebemos que ele estava cercado e fechado. Buzinamos, batemos palmas, gritamos, os cães latiram muito, tentamos como foi possível chamar algum morador e pedir para que nos deixassem fotografar e filmar o local, mas infelizmente não tinha ninguém por lá. Como não é nosso hábito invadir propriedade de ninguém, documentamos o pouco que pudemos ver e seguimos adiante na nossa jornada. Por lá, vimos a estação ainda com o dístico, porém apagado, uma casinha menor pouco à frente, e a antiga caixa-d’água (Ransomes & Rapier, claro), mas tenho a impressão de que vimos mais a parte dos fundos do prédio do que a frente, e sendo assim, não pudemos saber como está a plataforma, ou as lousas, placas de quilometragem e altitude, enfim, quase nada de detalhes. No passado o local foi cenário de batalha da revolução de 1932, e seu nome se deve a um dos homens que ajudaram a financiar a expansão da Cia. Mogiana por aquelas terras. É um lugar belíssimo e aproveito para pedir que, se alguém possuir material da estação e quiser enviar para complementarmos este post, será muito bem vindo. Obrigado!

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER CORONEL MANOEL JOAQUIM

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

ELIHU ROOT

DATA DA EXPEDIÇÃO: 30.03.2013
DESTINO: Estação Elihu Root
LOCALIZAÇÃO: Município Araras – SP
COORDENADAS: 22°18’19″S 47°19’51″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1877
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé e completamente abandonado
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Fabiano Pessôa e Priscila Savoia

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Elihu Root convenhamos não é um nome comum, pelo menos não aqui no interior de São Paulo, então, partindo desta enorme curiosidade, fui em busca da velha estação, para saber um pouco mais a seu respeito e também trazer boas histórias para dividir com vocês. Elihu Root era o nome de um advogado, secretário de estado norte-americano e vencedor do prêmio Nobel da Paz, o que não é pouco, mas daí a tornar-se nome de estação ferroviária no Brasil, existe um longa distância não é mesmo? Bem, Elihu Root esteve no Brasil em meados de 1906 para presidir uma conferência no Rio de Janeiro e nesta mesma viagem veio até Araras-SP de trem, para visitar uma fazenda produtora de café, desembarcando na estação, até então conhecida como Guabiroba. Após conhecer a produção cafeeira, também foi recepcionado por imigrantes do sul dos Estados Unidos que residiam na região de Americana, o que tornou ainda mais marcante a sua estadia aqui pelos lados interioranos do estado. Sendo assim, numa época em que este tipo de visita não era um fato costumeiro, resolveu-se homenagear o ilustre visitante, convertendo o nome da estação de Guabiroba para Elihu Root. Isso posto, voltemos ao local nos dias atuais. O local está abandonado e praticamente em ruínas, os trens de passageiros cessaram suas viagens em 1977 e em 1998 os trilhos foram retirados, restando assim, apenas o complexo composto pelo prédio da estação, algumas casas de turma e um grande armazém às margens da rodovia. Andamos por lá, entramos no armazém, na estação, vimos os dísticos ainda marcantes, porém sem legibilidade, exploramos cada detalhe do local e disponibilizamos tudo nas fotos e mini-filme, na intenção de transmitir com o máximo de fidelidade os sentimentos que tivemos naquele lugar. O prédio está em pé, possui a plataforma ainda coberta parcialmente, os guichês de venda de bilhetes, os espaços das placas de quilometragem e altitude vazios, o telhado bastante comprometido, enfim, é de dar dó uma construção daquela, com a carga histórica que tem, amargurar um fim deste. Ao chegarmos, uma placa de apelo (vide mini-filme) que alguém escreveu (mal por sinal), pedia por alguma atitude da prefeitura a fim de preservar Elihu Root, o que pelo visto, foi solenemente ignorado. De Guabiroba à Elihu Root, não importa em que época ou denominação, por lá passaram desde a família real inglesa, até o elenco do filme Sinhá-Moça, além dos muitos anônimos cujas histórias certamente não são tão interessantes assim, mas que merecem a citação, pois a história não é feita somente pelo viés dos mais importantes não é mesmo? Elihu Root é um lugar forte, é uma viagem ao passado, um elo interessante, que ainda hoje une um país em formação a outro maduro, cheio de história e respeito pela história. Espero que nosso jovem país aprenda isso, e que a estação Elihu Root sirva como um sinal de despertar neste sentido. Se é que alguém está prestando atenção nela ou em mim, né? De lá, seguimos para Loreto…

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.

PANORAMICA_ELIHU_ROOT_03

Vista frontal de Elihu Root.

PANORAMICA_ELIHU_ROOT_02

Plataforma vista por trás.

PANORAMICA_ELIHU_ROOT_01

Close da estação ainda resistindo.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER ELIHU ROOT
POSTERS VINTAGE:
São ilustrações com base fotográfica, que faço sobre algumas estações que representaram algo para mim. Também tenho feito sob encomenda para pessoas que querem presentear alguém ou mesmo simplesmente tê-las para recordação de algum momento marcante, ou apenas como decoração. Todo o valor obtido com a venda destas telas, é revertido integralmente para custear novas expedições do Projeto. Nada é destinado a mim ou ao meu sustento, para isso: eu trabalho.
COLLECTION_09

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

CÓRREGO RICO

DATA DA EXPEDIÇÃO: 06.09.2011 e 23.11.2013
DESTINO: Estação Córrego Rico
LOCALIZAÇÃO: Município Jaboticabal – SP
COORDENADAS: 21°17’29.36″S 48°15’43.86″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1894
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, cercado e servindo como residência, sede de igreja e obra social
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Jeferson Tomaz Querino, Edson Souza de Jesus e Vinicius Costa

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Estivemos em Córrego Rico por duas vezes, sendo a primeira delas logo no início das expedições deste projeto, e a outra agora, recentemente, para captar os vídeos, pois naquela época, documentávamos os locais visitados apenas através de fotos e relatos, sem os mini-filmes. Bom, a velha estação hoje serve como residência, sede de uma igreja e também de um projeto social, possui uma grande horta que ocupa o local aonde percorria o antigo leito do Ramal de Jaboticabal, isso há muito tempo atrás, visto que hoje por lá não há sinais de trilhos e mal se percebe por onde passava a antiga linha. A velha estação está encravada entre grandes árvores e sua visualização da rua de acesso é bem prejudicada, para encontrá-la da primeira vez, mesmo com o mapa, tivemos que pedir informação a um morador, que a princípio receoso, não fez questão de se muito simpático, porém ao saber o que procurávamos, e para quê procurávamos, desfez a sisudez e imediatamente abriu um largo e receptivo sorriso, nos fornecendo assim a informação que precisávamos. Curiosamente estávamos a uns vinte metros do prédio naquele momento e aquele senhor pareceu não acreditar que perguntávamos algo tão perceptível e óbvio… para ele talvez, não para nós. O Prédio é grande, está próximo de antigos galpões que eram armazéns de café e ao lado de uma casa que me pareceu ser do chefe da estação ou mesmo de alguma turma de “conserva”, também destacam-se as mãos-francesas lindíssimas (vide fotos e mini-filme) que ainda resistem suportando (não sei por quanto tempo) a cobertura da plataforma. Por lá, não vimos lousas, nem caixa-d’água, nem placas de altitude ou quilometragem, sendo que os dísticos estavam marcados nos frontões, porém apagados. Córrego Rico é um vilarejo de Jaboticabal e nos pareceu um lugar bastante calmo, pelo menos enquanto lá estivemos. De lá, seguimos para Guariba e Hammond…

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.

Parte de trás da estação.

Parte de trás da estação.

EU NA ESTAÇÃO:
Alguns momentos meus nos locais visitados.

Chegar até esta posição foi um tanto difícil, mas está aí.

Chegar até esta posição foi um tanto difícil, mas está aí.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER CORREGO RICO

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

HIPÓDROMO

DATA DA EXPEDIÇÃO: 24.04.2013
DESTINO: Estação Hipódromo
LOCALIZAÇÃO: Município São Carlos – SP
COORDENADAS: 22°2’4″S 47°53’23″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, em pleno uso
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1916
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, servindo de moradia
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Alexandre Zeri e Amarildo Lopez

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Hipódromo é um ex-posto telegráfico e uma pequenina construção próxima à estação principal de São Carlos e que fica entre ela e Conde do Pinhal, ainda dentro dos limites urbanos da cidade. Está na Vila Prado, local aonde antigamente havia um clube social e um Hipódromo e que há muito foram demolidos, não tendo restado absolutamente nada deles no local e nem nos arredores. Andamos por lá, vimos as casas da antiga Vila Ferroviária, o leito da linha atual em pleno uso, tendo sido através dele que tivemos acesso visual à estaçãozinha de Hipódromo. É um prédio diminuto, acanhado, por vezes parecendo até uma casinha de bonecas, está cercado e servindo como moradia para alguma família. Quando estávamos lá, fomos abordados por uma senhora que nos perguntou se estávamos ali para tirá-los de lá, o que me mostrou que de fato, aquele pessoal encontra-se ali de forma irregular, bem como tantos outros que conhecemos nessas incontáveis jornadas pelas estações brasileiras. Obviamente não estávamos lá para isso e pude tranquilizá-la, tendo ela saído com um ar bem mais aliviado depois da nossa conversa. Bem, por lá vimos e documentamos a estação e seguimos para Conde do Pinhal.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER HIPODROMO

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

FERRAZ

DATA DA EXPEDIÇÃO: 30.03.2013
DESTINO: Estação Ferraz
LOCALIZAÇÃO: Município Rio Claro – SP
COORDENADAS: 22°15’24″S 47°35’18″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1896
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, cercado e servindo de moradia
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Fabiano Pessôa e Priscila Savoia

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Estivemos no centenário distrito de Ferraz, pertencente à cidade de Rio Claro, buscando a antiga estação ferroviária da Companhia Paulista, e por lá fomos bem sucedidos. Encontramos a estação ainda em pé, cercada, servindo de moradia particular, e pelo que pudemos comprovar em conversa com a dona da casa (uma senhora bastante idosa e ressabiada), o local foi arrematado em leilão e está com a família dela há anos. Andamos por lá, vimos todo o entorno, o antigo leito, que hoje é uma estrada de terra batida, e detalhes do prédio. Não pudemos entrar, mas tivemos acesso a boa parte dos detalhes, pelo lado de fora mesmo (vide fotos e mini-filme). É um prédio com telhado “duas águas”, dísticos apagados, com a plataforma já sem a cobertura e nenhum sinal de trilhos pelo local. Nas nossas pesquisas prévias pelo Google Earth e pelo Wikimapia, a localização indicada da velha estação é outra, uns 300 metros à frente no sentido de Corumbataí, mas está equivocada, pois como comprovamos “in loco” o prédio encontra-se nas coordenadas acima descritas, sem dúvida nenhuma. Ferraz é um vilarejo aprazível e, por lá, quase tivemos que comprar melancias de um comerciante local para conseguirmos maiores informações acerca da estação, visto que esta era a condição para que ele nos desse as tão preciosas dicas. Felizmente conseguimos as informações sem termos que carregar melancias na caçamba da “Pretona” pelas estradas de terra da região. Ferraz está lá, viva e servindo, o que é mais importante e dela seguimos para Corumbataí…

CURIOSIDADE SOBRE A LOCALIZAÇÃO:
FERRAZ_EARTH

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.

PANORAMICA_FERRAZ

Ferraz vista bem de frente.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER FERRAZ

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

LUÍS ANTÔNIO

DATA DA EXPEDIÇÃO: 17.11.2012
DESTINO: Estação Luís Antônio
LOCALIZAÇÃO: Município Luís Antônio – SP
COORDENADAS: 21°33’09″S 47°42’03″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1910
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, cercado e servindo à prefeitura municipal
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Claudinéia de Marchi, Dog e Junior

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Estive em Luís Antônio (antiga Jataí) junto com minha família (Néia, Dog e Junior), sim, eles me acompanham com freqüencia, quando as expedições permitem. Hoje o prédio da antiga estação serve como garagem e uma espécie de depósito da prefeitura local, está murado e com portões altos e fechados. Tentamos entrar para documentar o prédio em detalhes, porém não foi possível. Ainda assim, andamos pelo local, observamos o que dava para ser observado, fotografamos, filmamos e aqui está: tudo compartilhado em detalhes. A pequenina cidade tinha aquele típico clima interiorano, com pessoas andando pela praça, senhores jogando baralho e um jogo de futebol acontecendo num campinho próximo. O calor era escaldante e o céu azul anil, o que deixou as imagens extremamente belas. A estação de Luís Antônio é uma construção típica da Cia. Mogiana, com seus belos frontões  imponentes (já sem os dísticos) e uma ampla cobertura de plataforma lateral. Seu nome (Luís Antônio) deriva-se do nome do antigo proprietário da Fazenda Jataí, que antes, também cedeu o seu nome à estação (Jataí). Por lá ninguém sabia muito mais a respeito dela, que foi desativada por volta de 1976, então de lá, seguimos para Santa Elisa, pouco à frente no sentido de São Simão…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER LUIS ANTONIO

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

CORDEIRÓPOLIS

DATA DA EXPEDIÇÃO: 10.02.2012
DESTINO: Estação Cordeirópolis
LOCALIZAÇÃO: Município Cordeirópolis – SP
COORDENADAS: 22°28’52.9″S 47°27’14.9″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, em pleno uso
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1876
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, totalmente abandonado e em ruínas
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Cordeirópolis foi uma estação marcante para mim, pois foi a primeira em que estive literalmente sozinho. Cheguei por volta das 6h da manhã estacionei a “Pretona” ao lado de um grande galpão que, depois fiquei sabendo, era um abrigo de locomotivas, e fui explorá-la. Por lá, talvez devido ao horário, não encontrei ninguém a quem pudesse perguntar detalhes e “causos” acerca do local, então fui andando pela linha, entrando no antigo prédio da centenária estação, olhando a sua plataforma ainda em pé, o enorme armazém ao seu lado, enfim, observando cada detalhe daquele lugar triste, mas que certamente um dia foi motivo de muitas histórias e memórias. As fotos e o mini-filme mostram bem o que foi visto por mim, mas a tristeza de se ver um prédio tão antigo sendo tratado com tanto descaso é tão grande, que faz com que repensemos muitas coisas. O prédio hoje está em frangalhos, nada além da sua estrutura de alvenaria sobrou por lá, é praticamente um esqueleto a céu aberto, “protegido” por uma cerca (?). O nome Cordeirópolis, muitos dizem derivar-se dos “cordeiros” que habitavam a região da estação na época de sua construção (cordeiros = fabricantes de cordas e não os animais homônimos), porém havia também uma fazenda com o mesmo nome, portanto podem escolher a origem que mais lhes agradar que não tem problema, rerere… Como um complexo férreo, a antiga estação e os seus arredores, são um lugar atraente para os que gostam do tema, mas quem não gosta verá apenas tristeza e abandono, misturados com ferrugem e mato alto. Será que eu estou fantasiando muito e a estação de Cordeirópolis é apenas isso mesmo? Infelizmente é bem provável… De lá, segui para Viracopos…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER CODEIRÓPOLIS

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

IPOMÉIA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 06.07.2012
DESTINO: Estação Ipoméia
LOCALIZAÇÃO: Município São Sebastião do Paraíso – MG
COORDENADAS: 21°00’02.7″S 47°00’50.9″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1914
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, completamente abandonado no meio do mato
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Vinicius Costa, José Antonio Thomaz, Pedro Gandra de Carvalho, Giuliano Martins Thomaz, Rodrigo Faustino e Alexandre Neves

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Ipoméia é uma planta da família das trepadeiras, e também uma estação localizada entre Tapir e São Sebastião do Paraíso, fica próxima a uma antiga pedreira da Fepasa, e ao seu redor existem várias construções abandonadas, como escola, galpões, casas de moradia, e uma vilinha ferroviária também. Tudo por lá está abandonado, o acesso é difícil, tanto que tivemos que estacionar a “Pretona” a uns 500, 600 metros, passar pela cerca de arame farpado enferrujado e abrir caminho mato adentro, até chegarmos ao local do prédio da antiga estacão, que também já foi conhecida como “Leôncio” no período da sua construção. Até chegarmos a ela, perguntamos a algumas pessoas que encontramos pelo caminho, se sabiam algo a respeito, mas nenhuma nos disse nada, simplesmente nunca tinham ouvido falar em estação por aqueles lados. Incrível, pois o local é enorme, com construções por todo lado e, mesmo tomado pelo mato, ainda é imponente, pujante, notável. Desbravamos cada canto do lugar, o Rodrigo, meu sócio e amigo, tomou  a frente e foi o primeiro a encontrar a estação, então fomos todos conferir o prédio, a caixa-d’água, as lousas, o frontão, os dísticos, a plataforma… tudo lá, ainda em pé e até que relativamente conservado, visto o seu estado de abandono. As placas de quilometragem e altitude não estavam por lá e os trilhos também não, entramos no prédio, na casa ao lado que deveria ter sido do chefe da estação (imagino eu) e pudemos sentir a energia do local. Em Ipoméia pude sentir o quão importante é este Projeto, sua força e relevância. A cada passo que eu dava por lá, um filme passava na minha cabeça imaginando quantas vidas e histórias aquele lugar abrigou, e olhar tudo aquilo reduzido a ruínas foi muito triste. De lá, seguimos para São Sebastião do Paraíso…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER IPOMÉIA

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.