Posts encontrados com a Tag: "PERUÍBE"

MONGAGUÁ

DATA DA EXPEDIÇÃO: 12.02.2012
DESTINO: Estação Mongaguá
LOCALIZAÇÃO: Município Mongaguá – SP
COORDENADAS: 24°05’34″S 46°37’15″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, apenas em alguns trechos
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1913
CONSTRUÇÃO: São Paulo Southern Railway
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, servindo como bar e moradia
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Estivemos em Mongaguá e pudemos conferir o estado em que a velha estação da Southern São Paulo Railway se encontra. Tudo por lá está esquecido, abandonado, envelhecido, mofado e cheio de lodo. Localizada atrás de um grande supermercado, o pátio e o prédio estão no meio do trajeto de banhistas que vem da praia, e por lá atravessam diariamente. Pode-se dizer que eles (o pátio e a estação) atrapalham o fluxo urbano hoje em dia, o que é bastante engraçado, pois ao mesmo tempo, foram os grandes responsáveis pelo desenvolvimento todo ao seu redor. Seria a cobra picando a mão de quem a alimenta? Enfim, vamos seguir adiante. O lugar está ocupado por uma família residindo no prédio da estação e ao lado um bar funciona normalmente (provavelmente legalizado, pois não me pareceu nada clandestino não), a plataforma ainda em pé, já não dá sinais de que aguentará muito mais tempo naquele estado e o prédio está bastante degradado. Olhando pelo leito da linha no sentido de Peruíbe dá para ver a ponte de ferro a uns 200 metros, e por lá, não encontrei as lousas, nem as placas e muito menos os dísticos legíveis. É claramente um monumento ao pragmatismo e à ausência de memória pois, pelos relatos que li, passaram muitas histórias de vida e de progresso por aquele trecho. Quem sabe se um museu se instalasse ali… enfim.  Mas daí quem sustentaria o museu num país de valores tão… digamos, rasos, como o nosso não é mesmo?

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER MONGAGUA

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

BAIRRO DOS PRADOS

DATA DA EXPEDIÇÃO: 11.02.2012
DESTINO: Estação Bairro dos Prados (Parada)
LOCALIZAÇÃO: Município Peruíbe – SP
COORDENADAS: 24°16’20″S 46°56’55″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, apenas alguns trechos
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1960/70 (período provável)
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Sorocabana
STATUS DO PRÉDIO: Ainda em pé, porém em ruínas
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Bairro dos Prados foi uma parada da Estrada de Ferro Sorocabana, localizada no Ramal de Juquiá, hoje dentro dos limites urbanos de Peruíbe. É apenas uma pequena plataforma (estribo) com estrutura de ferro e cobertura de telhas de amianto (vide fotos e mini-filme), e por lá, o mato alto tomou todo o leito da linha, desativada definitivamente por volta de 2003. Andei por lá, vi de perto aquela singela “homenagem” degradada a um passado esquecido e o máximo que pude fazer, foi documentá-la da maneira que dispunha, para que um dia alguém possa ver o quanto este país se preocupa com a sua história. Bairro dos Prados continua lá, definhando aos poucos… Será que ela merecia isso?

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER BAIRRO DOS PRADOS

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

PERUÍBE

DATA DA EXPEDIÇÃO: 11.02.2012
DESTINO: Estação Peruíbe
LOCALIZAÇÃO: Município Peruíbe – SP
COORDENADAS: 24°19’7.90″S 47° 0’27.95″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, porém só em alguns trechos
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1914
CONSTRUÇÃO: Southern São Paulo Railway
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, restaurado e servindo à prefeitura local
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
A estação de Peruíbe passou por uma reforma há pouco tempo, cerca de três anos se não me engano, e hoje, serve como um departamento da prefeitura. Estivemos lá, vindos de Ana Dias, num dia de chuvoso e nublado, mas ainda assim, conseguimos colher fotos e boas imagens do local. É uma estação pequena, porém o espaço à sua frente é amplo, o que dá a impressão de que ali havia um pátio de manobras com dois ou três desvios talvez. Andamos por lá, vimos o prédio pintado de amarelo escuro, um tom meio ocre, cor diferente das originais, que eram branco e azul, também vimos a plataforma, a placa de quilometragem sem altitude, mas não me recordo de ter visto a caixa-d’água por lá. Uma pequena casinha ao lado da estação me chamou bastante a atenção, por ser simétrica, com um telhadinho de duas águas, enfim, uma charme só. Por isso utilizei-a no poster, para representar o local, ela estava trancada, mas imagino que deva ser uma espécie de depósito. Atrás da estação passa uma avenida bem movimentada e como já disse, o largo à sua frente valoriza aquele sentimento saudosista, que sempre nos traz a sensação de que uma hora o trem surgirá lá ao longe da linha (que ainda está lá em alguns trechos), apitando e trazendo gente, carga, histórias e… esperança.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER PERUIBE

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

ANA DIAS

DATA DA EXPEDIÇÃO: 11.02.2012
DESTINO: Estação Ana Dias
LOCALIZAÇÃO: Município Itariri – SP
COORDENADAS:  24°18’12.90″S 47° 4’15.52″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1914
CONSTRUÇÃO: Southern São Paulo Railway
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, servindo de moradia e lanchonete
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Ana Dias é uma estação construída pela Southern São Paulo Railway, e está localizada praticamente na divisa de municípios, entre Itariri e Peruíbe, no bairro homônimo. Por lá encontramos uma vila situada entre a Rodovia Padre Manoel da Nóbrega e uma outra vicinal, que percorre o antigo leito do Ramal de Juquiá, passando por dentro de Peruíbe, a qual não me recordo o nome. Hoje a estação serve de moradia, e ao que me pareceu, pelos escritos nas suas paredes externas, também como uma escola de artes. Bem a sua frente existe um campo de futebol, e ao seu lado, uma venda (lanchonete?). Por lá, ainda existem trilhos, porém, tomados pelo mato alto. A caixa-d’água, placa de quilometragem, plataforma, cobertura e mãos francesas, estão lá, mas o prédio requer cuidados. Existe um espaço largo na frente da plataforma, que certamente era por onde os trilhos passavam, mas não consegui saber se havia algum desvio, ou talvez até mais de um. Ana Dias recebeu passageiros até 1997 e por lá passaram cargas até 2003, depois disso, a linha foi desativada e tudo foi abandonado. Hoje o prédio ainda resiste, e olhem o absurdo que me permito dizer: “Perto de outras que tenho visto, até que está num estado aceitável”… Dela, retornamos para o Guarujá…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER ANA DIAS

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

PADRE ANCHIETA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 11.02.2012
DESTINO: Estação Padre Anchieta (Parada)
LOCALIZAÇÃO: Município Pedro de Toledo – SP
COORDENADAS: 24°15’11.72″S 47°14’50.16″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, apenas em alguns trechos
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1929
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Sorocabana
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, abandonado e tomado pelo mato
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Chegar até a estação (parada) Padre Anchieta foi uma tarefa muito delicada, de acesso bem difícil, por meio de estrada de terra, pedras, lama, pirambeiras, pequenos cursos de água, a gente penou, mas conseguiu. Eu e a Néia (minha mulher) tivemos que usar as nossas habilidades sociais para localizarmos a antiga parada, que hoje encontra-se no meio de uma plantação de bananas, com um caminho estreito e até meio assustador, bem ao lado do Rio Itariri. Seguimos pela estrada que liga Pedro de Toledo ao vilarejo de Manoel da Nóbrega, e pelo caminho, fomos colhendo mais informações (quando conseguíamos encontrar alguém, claro), e assim chegamos até ela. É apenas uma pequena plataforma com um banco de alvenaria quebrado com uma inscrição E.F.J. feita a mão que imagino significar erroneamente Estrada de Ferro Juquiá, uma estrutura metálica e telhas de barro como cobertura. Está no meio de um mato alto que desencoraja a maioria a explorá-la (a maioria eu disse, não a mim e a Néia). A Placa com o nome e a quilometragem (em bom estado de conservação) estava lá, fixada entre os pilares de ferro (trilhos), e nada mais, a não ser o barulho gostoso das águas do rio que corre ali ao lado. Não termos achado uma cobra ou algum outro animal hostil por ali foi uma grande sorte. Para quem gosta de aventura, esta estaçãozinha é um prato cheio. Nós não esperávamos que seria assim, mas como já estávamos lá, seguimos até o fim, e foi muito legal. De Padre Anchieta, seguimos para Martim Afonso, ainda a frente…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

NOVA PERUÍBE

DATA DA EXPEDIÇÃO: 11.02.2012
DESTINO: Estação Nova Peruíbe
LOCALIZAÇÃO: Município Peruíbe – SP
COORDENADAS: 24°17’51.54″S 46°58’55.47″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, apenas em alguns trechos
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1960* (data aproximada)
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Sorocabana
STATUS DO PRÉDIO: Demolido, apenas uma plataforma tomada pelo mato
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Nova Peruíbe é apenas uma plataforma de concreto, abandonada no meio de um matagal na avenida que margeia o antigo leito do ramal de Juquiá. Estive por lá, colhi imagens mas não encontrei nada além disso. Ninguém sabia nada a respeito daquele monolito de cimento no meio do canteiro da via pública. Soube que um dia ela se chamou Parada do Km 174 e teve cobertura de telhas de amianto e uma mureta de tijolos, nada além disso. Andei várias vezes sobre a plataforma, olhei para todos os lados e tentei imaginar um pouco das histórias vividas por quem utilizava o trem naquela região. Foi só o que me restou ali.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

MARTIM AFONSO

DATA DA EXPEDIÇÃO: 11.02.2012
DESTINO: Estação Martim Afonso
LOCALIZAÇÃO: Município Pedro de Toledo – SP
COORDENADAS: 24°14’8.44″S 47°16’4.73″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, porém apenas em alguns trechos
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1929
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Sorocabana
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, fechado e depredado
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Estive em Martim Afonso (antiga Iberá) e pude ver de perto a situação de abandono em que ela se encontra. A estação é de difícil acesso, mas vale a pena o esforço para se chegar até ela. Caixa-d’água, plataforma, mãos francesas, cobertura ainda que precária, sinalização de quilometragem, tudo ainda lá, mas sem utilidade, sem uso, enfim, sem vida. Andei por ali, explorei os arredores, pude ver a imponente caixa-d’água de perto, com sua estrutura de ferro bem desgastada pela ação do tempo, também falei com pessoas que moram num vilarejo mais a frente da estação, porém ninguém conhecia muito a história da estação, apenas o nome, e que tinha sido desativada há tempos. Encontrei o nome Martim Afonso grafado com “N” na placa da própria estação, porém alguém fez uma “correção” e colocou um “M” no lugar, já que o militar português cujo nome batiza o local é escrito mesmo com “M” mesmo. A estação fica no meio de uma plantação enorme de bananas, que é bem comum naquela região, e ao seu redor, o mato cresce abundantemente. Foi um dia bastante produtivo e de lá seguimos para Manoel da Nóbrega.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.