Posts encontrados com a Tag: "GUARIBA"

HAMMOND

DATA DA EXPEDIÇÃO: 23.11.2013
DESTINO: Estação Hammond
LOCALIZAÇÃO: Município Guariba – SP
COORDENADAS: 21°24’01″S 48°12’41″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1892
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, cercada, dentro de uma propriedade particular
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Vinicius Costa

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Hammond é um lugar daqueles em que a gente demora a perceber que é real. Há muito, eu estava para ir até lá, tudo me fascinava a respeito do local, sua história, o seu nome imponente e ímpar, o fato de ainda estar preservado, enfim, tudo isso me atiçava a ir o quanto antes, e assim fiz. A velha estação está preservada dentro de uma fazenda, “Barreiro” se não me falha a memória, e após visitarmos a estação de Guariba, conseguimos várias dicas de como encontrar Hammond. Chegando lá, uma simpática senhora, cujo nome me foge agora, nos recebeu com um largo sorriso no rosto e se ofereceu para nos mostrar todo o local, pois segundo ela, o trabalho que estávamos fazendo, era de imensa importância para a história do local e do país. Depois de ouvir isso, eu assumo, quase chorei de emoção, pois são essas pequenas recompensas que me movem neste Projeto, mas enfim, sigamos em frente. Vimos todo o prédio da estação construída em 1892, sua plataforma ainda em pé, hoje servindo de garagem para os moradores, o dístico, a caixa-d’água redonda, a placa grafada “Hammond” ao fim da plataforma, os guichês de venda de bilhetes e telegramas, a placa da escola que havia no local, enfim, um prato cheio para quem gosta do tema. Os acabamentos de madeira dos guichês são um capítulo à parte, uma preciosidade sem tamanho, as mãos francesas típicas das estações da Companhia paulista também estavam por lá, e o armazém anexo a estação estava vazio, mas bem conservado. Andamos por lá, vimos em detalhes cada cantinho da estação e também da tulha da antiga fazenda, o seu terreiro de secagem de café e até mesmo o local aonde os escravos viviam. A senhora enquanto andávamos, nos contava estórias do local e detalhava os engenhos que víamos em cada canto. Hammond é uma joia preservada graças a alguma alma iluminada que valoriza a história de um modo geral. Eu não sei se a estação está sob os cuidados do dono da fazenda, mas ao que me pareceu, sim. O nome dele é Sr. Fito, e caso seja ele o responsável pela preservação, fica aqui de antemão o meu reconhecimento. Hammond era o nome de um engenheiro da Companhia Paulista, e agora é o nome de um oásis na região de Guariba. Vida longa à Hammond!

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher em cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.

PANORAMICA_HAMMOND_01

Estação Hammond vista da entrada da fazenda.

PANORAMICA_HAMMOND_02

Os guichês de venda de bilhete ainda resistem.

PANORAMICA_HAMMOND_03

Fazenda de café ao lado da estação Hammond.

FOTOS DO LOCAL:


MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER HAMMOND

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

PRADÓPOLIS

DATA DA EXPEDIÇÃO: 06.09.2011 e 23.11.2013
DESTINO: Estação Pradópolis
LOCALIZAÇÃO: Município Pradópolis – SP
COORDENADAS: 21°18’58.09″S  48°8’8.66″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, ainda sendo utilizado
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1901
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, mal conservado, favelizado e servindo de moradia
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Jeferson Tomaz Querino, Edson Souza de Jesus e Vinicius Costa

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Estivemos em Pradópolis em três ocasiões, sendo duas delas após o início deste Projeto. Na primeira, ainda não colhíamos vídeos dos locais, daí a necessidade de retornarmos para complementar nossa tarefa. A antiga estação da Cia. Paulista antes chamada de Martinho Prado, está há muito tempo desativada, ainda que por aquela linha trafeguem composições carregadas de açúcar da Usina São Martinho, o velho prédio não possui função nenhuma e é o fim do ramal, visto que a linha que seguia sentido Barrinha não está mais operacional há muito tempo. Os trens por ali, seguem pelo ramal da usina aonde são carregados e partem no sentido de Campinas, sem parar na estação (para evitar furtos, segundo um segurança da usina nos disse). O local, afastado uns 7km da cidade, está favelizado, tendo sido ocupado aparentemente de forma desordenada e tanto a estação, quanto as casas da vila ao seu redor estão servindo de moradia para famílias carentes. O lugar não é muito amistoso, nossa presença por lá despertou a atenção, a curiosidade e até uma certa animosidade por parte dos moradores, que provavelmente sentiram-se ameaçados, pela sua condição informal de ocupação do lugar. O prédio ainda conta com dísticos aparentes e legíveis, com plataforma coberta, sustentada pelas elegantes mãos-francesas características da Cia. Paulista, com algumas sinalizações internas, com caixa-d’água e até uma placa de ferro marcando a quilometragem bem ao lado da plataforma. Fora isso, o ar de abandono e descuido, está mesclado com elementos modernos de conforto, como ar condicionado split e mini-parabólica de tv por assinatura, que nos levam a crer que por ali, os “donos” da casa, não são tão carentes assim. Andamos pelo local, fotografamos, filmamos, conversamos com alguns moradores e as perguntas foram sempre na mesma direção: – O trem vai voltar a passar por aqui? Quando? Vai ter trens de passageiro? Vocês vão tirar a gente daqui? Percebendo que pouco a pouco, passávamos a ser vistos como possível ameaça, concluímos a documentação do local e seguimos para Córrego Rico e Guariba, estas sim, estações digamos… mais amistosas.

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.

Lado oposto.

Lado oposto.

Olhem bem isso.

Olhem bem isso.

Mais de perto.

Mais de perto.

Vista frontal da estação e do seu entorno.

Vista frontal da estação e do seu entorno.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER PRADOPOLIS

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

CÓRREGO RICO

DATA DA EXPEDIÇÃO: 06.09.2011 e 23.11.2013
DESTINO: Estação Córrego Rico
LOCALIZAÇÃO: Município Jaboticabal – SP
COORDENADAS: 21°17’29.36″S 48°15’43.86″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1894
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, cercado e servindo como residência, sede de igreja e obra social
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Jeferson Tomaz Querino, Edson Souza de Jesus e Vinicius Costa

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Estivemos em Córrego Rico por duas vezes, sendo a primeira delas logo no início das expedições deste projeto, e a outra agora, recentemente, para captar os vídeos, pois naquela época, documentávamos os locais visitados apenas através de fotos e relatos, sem os mini-filmes. Bom, a velha estação hoje serve como residência, sede de uma igreja e também de um projeto social, possui uma grande horta que ocupa o local aonde percorria o antigo leito do Ramal de Jaboticabal, isso há muito tempo atrás, visto que hoje por lá não há sinais de trilhos e mal se percebe por onde passava a antiga linha. A velha estação está encravada entre grandes árvores e sua visualização da rua de acesso é bem prejudicada, para encontrá-la da primeira vez, mesmo com o mapa, tivemos que pedir informação a um morador, que a princípio receoso, não fez questão de se muito simpático, porém ao saber o que procurávamos, e para quê procurávamos, desfez a sisudez e imediatamente abriu um largo e receptivo sorriso, nos fornecendo assim a informação que precisávamos. Curiosamente estávamos a uns vinte metros do prédio naquele momento e aquele senhor pareceu não acreditar que perguntávamos algo tão perceptível e óbvio… para ele talvez, não para nós. O Prédio é grande, está próximo de antigos galpões que eram armazéns de café e ao lado de uma casa que me pareceu ser do chefe da estação ou mesmo de alguma turma de “conserva”, também destacam-se as mãos-francesas lindíssimas (vide fotos e mini-filme) que ainda resistem suportando (não sei por quanto tempo) a cobertura da plataforma. Por lá, não vimos lousas, nem caixa-d’água, nem placas de altitude ou quilometragem, sendo que os dísticos estavam marcados nos frontões, porém apagados. Córrego Rico é um vilarejo de Jaboticabal e nos pareceu um lugar bastante calmo, pelo menos enquanto lá estivemos. De lá, seguimos para Guariba e Hammond…

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.

Parte de trás da estação.

Parte de trás da estação.

EU NA ESTAÇÃO:
Alguns momentos meus nos locais visitados.

Chegar até esta posição foi um tanto difícil, mas está aí.

Chegar até esta posição foi um tanto difícil, mas está aí.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER CORREGO RICO

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.