Posts encontrados com a Tag: "ÁGUA VERMELHA"

CANCHIM

DATA DA EXPEDIÇÃO: 10.06.2012
DESTINO: Estação Canchim
LOCALIZAÇÃO: Município São Carlos – SP
COORDENADAS:  21°56’37.45″S 47°48’31.37″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1895
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Demolido, praticamente nada restou
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Jeferson Tomaz Querino e Breno Paiva de Oliveira Filho

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Para encontrar a localização exata da antiga estação Canchim, tive que quebrar a cabeça um pouco mais do que de costume. E sinceramente, não sei até agora se consegui, mas enfim, vamos lá. Existem duas localizações distintas para a mesma estação, por isso tive que verificar “in loco” (nos dois locais) através de relatos de moradores, qual dos dois era de fato a localização correta de Canchim. As coordenadas marcadas tanto no mapa (Google Earth), quanto na ficha técnica, referem-se ao lugar que me pareceu mais provável, depois de muita exploração e conversa. Estive na primeira marcação, uns 3 quilômetros à frente (sentido de Água Vermelha), conversei com o morador do local aonde, em tese existiu a estação, e ele me garantiu que a estação Canchim, nunca foi lá, e sim, alguns quilômetros antes, onde conseguiríamos inclusive, notar os restos da antiga plataforma, ao lado da estrada de terra e encravados na própria. A partir desta referência, partimos e encontramos tal local, este sim, batia exatamente com a segunda opção de marcação, e o principal, lá estavam encravadas realmente na estrada alguns restos de construção, provavelmente da antiga plataforma. Outros indícios também foram importantes, o grande recuo existente entre as árvores, uma área descampada que também dava a impressão de ser o local aonde o antigo prédio existiu, e a posição em si (quilometragem), que estava mais centralizada entre Capão Preto e Floresta (estação anterior e posterior  a Canchim), enfim, tentamos nos certificar de que estávamos no local correto, embora não fosse tarefa das mais fáceis. O certo é que temos fortíssimos indícios de que esta é a localização correta, pois à frente o que existiu de fato, foi uma chave de onde saia um ramal lenheiro, justamente como o morador havia nos dito. Fiquem com as imagens de Canchim, que hoje não tem muito a contribuir, pois lá, nada existe, a não ser algumas árvores e muito mato.

FOTOS DO LOCAL:


MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

ÁGUA VERMELHA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 10.06.2012
DESTINO: Estação Água Vermelha
LOCALIZAÇÃO: Município São Carlos – SP
COORDENADAS:  21°53’43.50″S 47°53’24.53″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1892
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Demolido
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Jeferson Tomaz Querino e Breno Paiva de Oliveira Filho

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Estivemos em Água Vermelha vindos de Santa Eudóxia, que por mais estranho que possa parecer era a estação terminal do ramal de… Água Vermelha. A velha estação já não existe mais, tendo hoje em seu lugar, apenas um pasto ao lado de um galpão. Em frente, um antigo armazém amarelo ainda resiste e poucos metros a frente, um outro, hoje transformado em biblioteca e centro cultural do local (vide mini-filme). Era um belo dia de céu azul e o contraste com o amarelo marcante do prédio nos deu belas imagens. Um fato curioso que me chamou a atenção por lá, foi o já extinto trecho férreo conhecido como “Cabeça de Cobra”, vale o clique para verem o quão adequado é o nome. Andamos por lá, vimos o curso do antigo leito da linha, as casas que ladeavam a estação, perguntamos sobre a época em que os trens ainda passavam por lá, mas não obtivemos grandes relatos não. De lá, seguimos caminho para Capão Preto…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

ILUSTRAÇÃO DO LOCAL:
Tendo como base as imagens reais de cada local colhidas pelo Projeto Estações Brasileiras, eu desenvolvo uma ilustração que retrate emocionalmente o espírito de cada estação/parada, ou mesmo do seu entorno, no caso de já não existirem mais. A intenção é que sirva de estímulo para a interpretação crítica de cada um, seja de forma positiva, negativa, carregada de saudosismo, ou mesmo de forma contemplativa apenas. Espero que curtam.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

ALFREDO ELLIS

DATA DA EXPEDIÇÃO: 10.06.2012
DESTINO: Estação Alfredo Ellis
LOCALIZAÇÃO: Município São Carlos – SP
COORDENADAS:   21°48’7.24″S 47°49’28.97″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1906
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, porém em ruínas e tomado pelo mato
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Jeferson Tomaz Querino e Breno Paiva de Oliveira Filho

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Estive em Alfredo Ellis juntamente com o meu sobrinho Jeferson e o meu amigo e Sensei de Aikido, Breno de Oliveira. Naquele dia, percorremos o ramal de Água Vermelha por inteiro, partindo de Santa Eudóxia e chegando até São Carlos. Hoje, Alfredo Ellis encontra-se abandonada e em ruínas, às margens da rodovia que liga Santa Eudóxia à São Carlos e é facilmente avistada por quem transita pela rodovia. É um prédio grande, e até lembra um armazém, o seu acesso é dificultado pela altura do mato, que tomou conta de tudo por lá e isso nos impediu de entrar na estação e ver de perto o que ainda resiste no seu interior. Lá, não consegui ver a caixa-d’água, nem a sua base, também nada das placas de quilometragem e altitude, nem tampouco os dísticos, enfim, Alfredo Ellis hoje, é um resquício composto pelo esqueleto da estação e de uma outra pequena construção de apenas um cômodo ao lado dela, que imagino ter sido a base da caixa-d’água, ou algum depósito. De lá, seguimos para Araraí…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

ILUSTRAÇÃO DO LOCAL:
Tendo como base as imagens reais de cada local colhidas pelo Projeto Estações Brasileiras, eu desenvolvo uma ilustração que retrate emocionalmente o espírito de cada estação/parada, ou mesmo do seu entorno, no caso de já não existirem mais. A intenção é que sirva de estímulo para a interpretação crítica de cada um, seja de forma positiva, negativa, carregada de saudosismo, ou mesmo de forma contemplativa apenas. Espero que curtam.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.