18/04/13

SAMARITÁ

DATA DA EXPEDIÇÃO: 08.11.2012
DESTINO: Estação Samaritá
LOCALIZAÇÃO: Município São Vicente – SP
COORDENADAS: 23°59’23.90″S 46°28’38.75″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, apenas alguns trechos
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1930
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Sorocabana
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, fechado e aparentemente servindo de moradia
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Samaritá me despertou a atenção primeiro pela sonoridade do seu nome, depois por ser um enorme pátio de entroncamento, que ligava a linha que vinha de Juquiá a que seguia para Mairinque e que que gerava um trânsito intenso, tanto de cargas quanto de passageiros. O lugar é afastado de São Vicente, mas hoje, as distâncias já não são um grande problema, portanto, foi fácil chegar até ela. Andei por lá, vi o estado de abandono total em que tudo se encontra, localizei a estação, toda pintada de cores gritantes (me lembrou o Pelourinho) e, ao que parece, servindo de moradia, estando cercada apenas em um dos lados, o do fundo. Samaritá era uma vila distante e na década de 60, teria servido de depósito de lixo tóxico da Rhodia, aonde eram jogados toda sorte de resíduos químicos, inclusive o Pentaclorofenol ou Pó-da-China, que acabou por contaminar toda aquela região e muitos dos seus moradores, tanto que alguns andavam a pé somente sobre os trilhos, pois havia casos de contaminação por toda a região, e o único lugar minimamente seguro era o leito ferroviário, pois ali embaixo, certamente ninguém tinha enterrado detritos, lixo ou qualquer outra substância tóxica. Sabendo disso tudo, entende-se a carga negativa que sente-se no local. Muito disso provavelmente vem do ar de abandono, mas não só dele. Lá existem composições enferrujando por todo o pátio tomado pelo mato, algumas ainda na linha e outras fora. Os prédios relacionados ao universo férreo, estão em ruínas e por ali já não circulam trens há muito tempo. Subindo na passarela que existe ao lado da antiga estação e olhando para os lados, tem-se uma noção exata do que aquele lugar é hoje, e também pode-se imaginar o que ele foi um dia. Obviamente que tomando alguns cuidados, pois por ali, encontrei alguns rapazes, que não me pareciam dispostos a colaborar com o Projeto Estações Brasileiras não, mas segui em frente, afinal estava lá para aquilo e era o que seria feito naquele momento, com ou sem o “auxílio” deles. De lá, seguimos para Doutor Alarico, pouco à frente, no sentido São Vicente…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER SAMARITA

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

4Comentários

  1. 08/05/13 às 5:25
    Caio César:

    A questão da Rhodia é complicadíssima. Você embutiu na página um mapa do Google Maps, certo? Clica nele e arrasta para a direita. Você vai ver um local meio diferente, não parece estranho um “clarão” na mata, com algumas concentrações (aparentemente) de um líquido esverdeado em tonalidade distinta, concentrados em alguns pontos? Pois é. Creio ser um dos aterros utilizados por ela. Com certeza mesmo o leito ferroviário perdeu a segurança, pois com a poeira tóxica… é muito triste de pensar, mas creio que a região deve estar contaminada com hexaclorobenzeno até hoje.

  2. 08/05/13 às 11:55
    marcelo:

    Puxa Caio, muito legal você ter complementado o post com estas importantes informações. Muito obrigado e se puder, continue contribuindo. Abs

  3. 02/12/15 às 13:21
    Bruno:

    Descobri agora o blog e estou gostando!
    Vejo muita da história das ferrovias em SP e infelizmente somos o maior exemplo de descaso que existe no Brasil.
    Tinhamos tudo para ser um estado exemplo com tantos ramais que interligam-se.

  4. 11/05/16 às 6:09
    josé marques:

    A cidade de SÃO VICENTE é à primeira vista , um mistério , mas analisando profundamente se enxerga explicações. Samaritá era a estação principal da ESTRADA DE FERRO “SOUTHERN SÃO PAULO RAILWAY” do controvertido PERCIVAL FARQHUAR , e a ferrovia era parte de um plano que era ligar o PORTO DE SANTOS ao SUL do País (era a idéia do atual “MERCOSUL”) .a “SOUTHERN ” passou ao Estado e passou a ser chamada de “SANTOS – JUQUIÁ ” , depois passou a integrar a SOROCABANA como o ramal “SANTOS – CAJATÍ” E PASSOU A FAZER PARTE DA FEPASA.
    São Vicente , a primeira VILA do País (não a primeira Cidade como muitos falam) se tornou o ponto de intersecção de transporte na BAIXADA PAULISTA (não BAIXADA SANTISTA como muitos querem e falam) , pois quando você desce a SERRA pela ANCHIETA ou IMIGRANTES , obrigatoriamente vá você para qualquer cidade da BAIXADA que for , você irá obrigatoriamente passar por SÃO VICENTE , mas a poderosa e protegida Cidade de SANTOS capitaliza tudo,devido ao seu PORTO. Então tudo de ruim foi jogado em SÃO VICENTE , uma cidade de um povo originário dos ÍNDIOS e que recebeu muitos Nordestinos , Alemães ,Portugueses e Espanhóis .Como conta com baixa representatividade política e por ser pobre , SÃO VICENTE foi escolhida para o descarte deste PÓ DA CHINA e de tantas porcarias produzidas pelos “OBSCUROS MOINHOS SATÂNICOS ” , DARK SATANIC HILLS do poema de WILLIAM BLAKE e que EMERSOM-LAKE -PALMER gravaram como JERUSALEM . DARK SATANIC HILLS eram os moinhos iniciais da REVOLUÇÃO INDUSTRIAIS que matavam operários e crianças (mulheres também) de tanto trabalharem sem que lhe dessem alimentação , roupa e condições adequadas . Era a exploração humana e poluição produzidas pela REVOLUÇÃO INDUSTRIAL . CUBATÃO produziu toda poluição sobre a BAIXADA que até , no auge , crianças nasceram sem cérebro(anencefalia) por influencia da poluição de CUBATÃO nos anos 60 e 70 e em SAMARITÁ ainda hoje há áreas contaminadas pela RHODIA .

Deixe seu Comentário