17/09/14

VALINHOS NOVA

VALINHOS NOVA

Estive na estação Valinhos Nova vindo de Vinhedo, foi uma passagem rápida, porém suficiente para documentar o atual estado da antiga estação da Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Bem ao lado de uma grande indústria centenária (Unilever), a estação ainda mantém boa parte das suas principais características, tendo grande destaque a entrada principal e a “gare”, com uma grande cobertura metálica, ainda bastante imponente. Hoje ali, funciona um museu municipal, que estava fechado na ocasião da visita. Por lá, havia ainda a placa de quilometragem e altitude… >>

14/09/14

CARLOS GOMES NOVA

CARLOS GOMES NOVA

Hoje, uma estação turística, também funciona como oficina de manutenção e restauração de trens antigos. Estivemos lá num dia calmo, fora de temporada e durante a semana, o que nos facilitou demais a vida, Tivemos tempo e liberdade para visitá-la e explorá-la com calma, curiosidade e muita parcimônia. Andamos pelo local, conhecemos o prédio do final da década de 1920, extremamente bem conservado (vide galeria de fotos e mini-filme), vimos cada uma das locomotivas à vapor e a diesel, a plataforma, os dísticos, a sinalização, guichês de vendas de bilhetes, sino, placas, “meu Deus”, estava tudo lá, parecia um sonho. O trabalho realizado pela ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária) naquele trecho é notável… >>

02/09/14

BAUXITA

BAUXITA

Bauxita é um lugar impressionante, e ter estado lá, me trará boas recordações até os meus últimos dias. A brisa fria batendo no rosto, a composição, os vagões-gôndola cheios e estacionados, as locomotivas velhas e surradas porém ativas, a estação fechada mas ainda com vida e utilidade, os amigos por perto, tudo conspirava para que aquele dia fosse incrível. E foi. Andamos por lá, vimos tudo, a estação pintada nas cores da concessionária, os dísticos em branco, a plataforma, as lousas, as mãos-francesas suportando a cobertura, o enorme pátio e seus desvios, a vila ferroviária atrás do prédio da estação, enfim, por lá o clima férreo imperava, ufa, que delícia! Neste dia nos acompanharam grandes e inesquecíveis amigos que pesquisam o tema e cuidam de manter viva a memória daquele trecho: o Douglas Bulhões, o Junior Alvarenga (Indiana) e o Luis Fernando Pecchiore Bastos, este último, um expert no Ramal de Caldas…>>

20/08/14

ITAHUM

ITAHUM

Estive na estação Itahum juntamente com o meu sobrinho Jeferson e com o meu “primo” Gilton, vindos de Maracaju pelo Ramal de Ponta Porã. Itahum foi inaugurada em 1949 e hoje encontra-se tombada pelo patrimônio histórico municipal de Dourados – MS, e pelo que vimos, pouco se fez para mantê-la em um estado de conservação aceitável, na verdade, é bem provável que a colocação da placa de tombamento na entrada da estação tenha sido a única medida efetivamente tomada. Itahum já foi a ponta do Ramal de Ponta Porã, que vinha de Campo Grande, passando por Maracaju e seguindo até a fronteira com o Paraguai, tendo o seu ponto final em Ponta Porã. Por Itahum, passaram trens de passageiros até meados de 1996 e os cargueiros perduraram até 2002, mas agora, está tudo num abandono só. Andamos por todo o local, vimos o prédio ainda com dísticos legíveis… >>

19/08/14

SANTA OLÍVIA

SANTA_OLIVIA

Frustrante. Essa é uma das palavras que definem a nossa busca pelos resquícios da antiga estação Santa Olívia, no Ramal de Santa Rita. Santa Olívia foi a primeira estação do prolongamento do ramal em direção à Vassununga, construído pela Companhia Paulista de Estradas de Ferro, no ano de 1913. Andamos por toda a redondeza em busca de restos das fundações, plataforma, ou algo que pudesse comprovar que aqueles locais realmente foram ocupados pela estação e seu pátio, porém nada encontramos. O local marcado como tendo sido o ponto da estação, está dentro da Fazenda São José, a qual não fomos autorizados a entrar, sendo assim, tivemos que registrar apenas a entrada do local, pois foi o mais próximo que chegamos da “provável” localização do prédio… >>

03/08/14

ALFA

ALFA

O dístico estava quase que totalmente apagado, mas com uma dose de boa vontade, ainda era possível ler a palavra “Alfa” grafada ali. Andei pelo local, vi a estaçãozinha por todos os seus lados, ela estava cercada e fechada, servia como residência, mas aparentemente não havia ninguém lá naquele momento. Nada de lousas, placas ou plataforma, somente o prédio de tijolos aparentes com uma cerquinha branca, ocupavam o local. A construção, bem simples e diminuta, lembra uma “casinha de bonecas”… >>

29/07/14

MONTE CRISTO

MONTE CRISTO

A plataforma coberta, ainda se encontra em bom estado, as lousas de avisos também ainda resistem, os dísticos nos frontões, os recuos por onde passava o leito da linha, enfim, é um lugar que foi minimamente preservado. Não soube o motivo da reforma, nem o grau dela, e nem o quanto desfiguraria o local, mas não me pareceu que iriam mudá-la estruturalmente, e torci para que não mudassem mesmo… >>

27/06/14

RIBEIRO DO VALLE

RIBEIRO_DO_VALLE

Estivemos em Ribeiro do Valle, vindos de São José do Rio Pardo, ela é uma bela estação e está relativamente bem conservada, provavelmente tem servido de moradia ou depósito. Está localizada às margens do Rio Pardo, próxima à uma pequena ponte pênsil, a qual não resistimos e tivemos que atravessar, nos proporcionando uma pequena aventura, pois do lado oposto, haviam cães nada amistosos, rerere… >>

19/05/14

LORETO

LORETO

Ali também localizava-se um horto da Companhia Paulista, servido pela estação. Normalmente as Companhias Ferroviárias da época mantinham vários hortos para a produção e utilização de lenhas para dormentes e combustível de locomotivas a vapor. Andamos por todo o local, que fica atrás de uma Companhia de fertilizantes, fomos até a ponte férrea, sobre um rio que passa a uns 300 metros do local da estação, no sentido de Araras, atravessamos a ponte… >>

24/02/14

ITIRAPINA NOVA

ITIRAPINA NOVA

A estação de Itirapina Nova é um imenso pátio semi-abandonado, que fica próximo ao cemitério e ao distrito industrial da cidade. E pensar que um dia, aquilo tudo foi uma pujante e pulsante estrutura ferroviária da nova linha-tronco da Companhia Paulista? Itirapina significa “Morro Pelado” em Tupi-Guarani, uma referência a um morro próximo ao município. Andamos pelo local, aonde trens desativados repousam (?), e aguardam apenas o seu desmanche, visto o estado de abandono que encontram-se. Por lá, tudo é triste e a sensação é a pior, de descaso e inutilidade… >>