22/09/12

CAMPO GRANDE

Estive sozinho em Campo Grande, quando seguia rumo à Paranapiacaba, até então um sonho de consumo. Conhecer a antiga vila operária inglesa situada ali no alto da Serra do Mar, era uma grande vontade, e Campo Grande fez parte dessa jornada. Estacionei a “Pretona” ao lado da P.N. (passagem de nível) da estrada de terra que liga Campo Grande à Paranapiacaba e fui explorar o local. Logo de cara, uma placa não muito amistosa visava desestimular os curiosos a andar pelas redondezas (vide mini-filme), comigo não deu muito certo, afinal tinha viajado mais de 500 quilômetros para estar ali e poder ver de perto o estado daquele lugar… >>

22/09/12

ÁGUA VERMELHA

Estivemos em Água Vermelha vindos de Santa Eudóxia, que por mais estranho que possa parecer era a estação terminal do ramal de… Água Vermelha. A velha estação já não existe mais, tendo hoje em seu lugar, apenas um pasto… >>

20/09/12

AGENTE HELY

Agente Hely é uma parada simples, feita de ferro, aonde existe uma placa com o seu nome, coberta por telhas de amianto e que serve aos usuários dos trens suburbanos da E.F.C.J. Fica a uns 50 metros de uma P.N… >>

20/09/12

ALFREDO ELLIS

Estive em Alfredo Ellis juntamente com o meu sobrinho Jeferson e o meu amigo e Sensei de Aikido, Breno de Oliveira. Naquele dia, percorremos o ramal de Água Vermelha por inteiro, partindo de Santa Eudóxia e chegando até São Carlos. Hoje, Alfredo Ellis encontra-se abandonada e em ruínas… >>

18/09/12

ORINDIÚVA

Orindiúva era uma das estações que mais me marcaram na infância, pois logo após estava Aguaí, destino mensal, meu e do meu saudoso avô Pedro. Entre Orindiúva e Aguaí, existiu uma outra estação chamada Engenheiro Mendes, mas no período em que nós viajávamos, ela já não existia mais… >>

18/09/12

PEREQUÊ

Estive em Perequê e pude ver de perto o quão sombria é aquela região. A estação fica no meio de um pólo industrial em Cubatão, bem próxima das estações Piaçaguera e Raiz da Serra, seguindo no sentido Guarujá. É uma estação bastante movimentada, bem às margens da rodovia Cônego Domênico Rangoni, e foi dali que pude fazer as imagens do local… >>

14/09/12

GUARDINHA

Fomos para Guardinha seguindo o leito da antiga linha da Estrada de Ferro São Paulo e Minas e pelo caminho tivemos boas aventuras. Riachos, cachoeiras, pontes, montanhas, trilhas no areião, enfim, o dia foi bem agitado (vide mini-filme), subimos no Morro da Mesa, conhecemos a Igreja e o Cristo que existem lá em cima, e depois de tudo isso chegamos no nosso destino: Guardinha… >>

05/09/12

LARANJA AZEDA

Estivemos em Laranja Azeda e pudemos ver o que sobrou da velha estação e da vila ferroviária a sua volta. Construída pela Companhia Paulista de Estradas de Ferro, a estação ainda encontra-se em pé, mas muito depredada, e ao seu redor, famílias inteiras habitam as casas da antiga vila. Estava tudo muito sujo e percebemos ali muita carência. Ainda assim, fomos muito bem recebidos pelos moradores… >>

07/08/12

EUGÊNIO LEFÈVRE

Ah, eu sou fã de Eugênio Lefèvre. Seja pela imponência e sonoridade do nome, seja pela beleza do local ou pela riqueza histórica, o motivo pouco importa, o que vale mesmo é o sentimento. Eugênio Lefèvre é a estação da cidade de Santo Antônio do Pinhal, mas fica um pouco longe da cidade (uns 5 quilômetros), o que não é grande problema, pois andar por aquela região é um enorme prazer contemplativo. Eu já fui até lá por algumas vezes, ora de trem, ora de carro, mas em todas, o roteiro foi sempre o mesmo… >>

07/08/12

MACAÚBAS

Encontrar Macaúbas não foi muito fácil não, fora da estrada, tivemos que andar um bom tempo pelo meio dos canaviais de Batatais até encontrá-la. Após muitas perguntas aos trabalhadores rurais e moradores (poucos) da região, chegamos até ela. Conservada e aparentemente servindo de moradia, Macaúbas hoje ao que parece, descansa em paz. Caixa-d’água, placas de altitude e quilometragem, leito da linha (sem trilhos), e até um campo de futebol, tudo estava lá… >>