30/11/13

CÓRREGO RICO

DATA DA EXPEDIÇÃO: 06.09.2011 e 23.11.2013
DESTINO: Estação Córrego Rico
LOCALIZAÇÃO: Município Jaboticabal – SP
COORDENADAS: 21°17’29.36″S 48°15’43.86″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1894
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, cercado e servindo como residência, sede de igreja e obra social
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Jeferson Tomaz Querino, Edson Souza de Jesus e Vinicius Costa

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Estivemos em Córrego Rico por duas vezes, sendo a primeira delas logo no início das expedições deste projeto, e a outra agora, recentemente, para captar os vídeos, pois naquela época, documentávamos os locais visitados apenas através de fotos e relatos, sem os mini-filmes. Bom, a velha estação hoje serve como residência, sede de uma igreja e também de um projeto social, possui uma grande horta que ocupa o local aonde percorria o antigo leito do Ramal de Jaboticabal, isso há muito tempo atrás, visto que hoje por lá não há sinais de trilhos e mal se percebe por onde passava a antiga linha. A velha estação está encravada entre grandes árvores e sua visualização da rua de acesso é bem prejudicada, para encontrá-la da primeira vez, mesmo com o mapa, tivemos que pedir informação a um morador, que a princípio receoso, não fez questão de se muito simpático, porém ao saber o que procurávamos, e para quê procurávamos, desfez a sisudez e imediatamente abriu um largo e receptivo sorriso, nos fornecendo assim a informação que precisávamos. Curiosamente estávamos a uns vinte metros do prédio naquele momento e aquele senhor pareceu não acreditar que perguntávamos algo tão perceptível e óbvio… para ele talvez, não para nós. O Prédio é grande, está próximo de antigos galpões que eram armazéns de café e ao lado de uma casa que me pareceu ser do chefe da estação ou mesmo de alguma turma de “conserva”, também destacam-se as mãos-francesas lindíssimas (vide fotos e mini-filme) que ainda resistem suportando (não sei por quanto tempo) a cobertura da plataforma. Por lá, não vimos lousas, nem caixa-d’água, nem placas de altitude ou quilometragem, sendo que os dísticos estavam marcados nos frontões, porém apagados. Córrego Rico é um vilarejo de Jaboticabal e nos pareceu um lugar bastante calmo, pelo menos enquanto lá estivemos. De lá, seguimos para Guariba e Hammond…

PANORÂMICAS DA ESTAÇÃO:
Com o compromisso de oferecer o máximo de detalhes que puder colher cada local visitado, agora disponibilizo também imagens panorâmicas, para que tenham a sensação não só da estação, como também do seu entorno, espero que curtam.

Parte de trás da estação.

Parte de trás da estação.

EU NA ESTAÇÃO:
Alguns momentos meus nos locais visitados.

Chegar até esta posição foi um tanto difícil, mas está aí.

Chegar até esta posição foi um tanto difícil, mas está aí.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER CORREGO RICO

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

Conteúdos Relacionados:

5Comentários

  1. 02/12/13 às 22:25
    marcos antonio silva.:

    olá marcelo boa noite mais um coméntário sobre o que foi no passado a velha sonhada ferrovia.que foi importante para está região é seus moradores.o que aconteceu para sua desátivação. como sempre nesse segmento. chamado ferrovia nessa região .ao meu ver só tinha essa. ferrovia nestá cidade. o que levou na sua completa desátivação. quanto tempo levou na sua atividade nestá região.como podemos ver marcelo na sua reportagens.a velha estação já está totalmente abandonada.servindo apenas. em algumas atividades para esses morádores.quanto tempo levou na sua construção.quanto se gastou na epóca o que levou por completo na sua desátivação. qual a origem. por trás disso.é marcelo quantas ferrovias em nossa estado foram desátivadas por completo.voce marcelo nas sua pesquisa é visitá a essas estação em todas essas regiões.como ficaram esses morádores destá cidades as margens destá ferrovias que não existé mais.o que leva mais uma vez os nossos governos na sua desátivações por completo.pensa como séria se uma boa parté delas ainda estivesse em plena atividades. no transporté de cargas é passageiros. tirando muitos carros dessas rodovias.com tantos pedágios em torno de sua malha.tudo é apenas interesse para se ganhar muito privatizando as rodovias.é desátivando a velha sonhada ferrovias.que tanto se lutou na sua construções ao longo de tantos anos.hojé marcelo o que restá está nas mãos de grupos extrangeiros. que não investé nada nesse segmento chamado ferrovias. até mais gostei das novas postagens.vou para a proxima.abs fica com deus. de marcos silva.

  2. 25/02/15 às 0:03
    Bruna Paneghine:

    Adorei a reportagem, esse lugar é maravilhoso, que vivi a minha infância, pois, meus avós são donos desse local. Me lembro como se fosse hoje, meu falecido avô me contando de como funcionava a estação… uma pena, não existir mais

  3. 24/11/16 às 3:40
    JAIME MARIOTO:

    Um lugar maravilhoso, tive a oportunidade de viver minha infância e vivenciar boas coisas na companhia dos meus avós é uma pena o tempo não voltar eu era feliz e não sabia! agora só me resta lembrar das boas lembranças que passei neste lugar.

  4. 04/03/17 às 0:38
    Marcia Maki:

    Sou grata por existirem pessoas como vocês, apaixonados por ferrovias. Achei fascinante conhecer um pouco da história dos pioneiros do início do século XX, quando os paulistas desbravaram o interior. É um pouco parte da história da minha família também.Foi na Estação Córrego Rico que meus avós desceram, em 1919, viajando de trem do Porto de Santos, para trabalhar numa Fazenda de café na Região de Jaboticabal. Obrigada, Marcelo e sua equipe.

  5. 13/03/17 às 15:11
    marcelo:

    Obrigado Marcia.Continue por aqui, ok?

Deixe seu Comentário