26/01/17

CHAVE DA TAQUARA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 30.12.2014
DESTINO: Chave da Taquara (parada)
LOCALIZAÇÃO: Município Cristais Paulista – SP
COORDENADAS: 20°21’19″S 47°25’48″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: Entre 1888 e 1905 (data estimada)
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Nunca houve, era uma parada simples, com um desvio
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Daniel Franc e Pedro Gandra de Carvalho

O FILME:
“Aguardem!”

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Visitamos a Chave da Taquara de forma bastante casual pois, seguíamos de Cristais Paulista, sentido Pedregulho, quando vimos uma placa indicando o local e então, entramos para ver o que havia por lá. É uma vilinha simples, pequena, bastante tímida mesmo, por lá são pouquíssimas casas (provavelmente menos de dez), e não há sinais nem da linha, e muito menos do “famoso” desvio que originou o nome “Chave da Taquara”. O povoado nasceu a partir da chegada de trabalhadores do café e da ferrovia, sendo em sua maioria, baianos e italianos. Era muito cedo, o sol estava nascendo e não havia ninguém por ali para nos esclarecer aonde de fato a linha passava e de onde saia o pequeno ramal lenheiro. Andamos pelo lugarejo, sob o clima ameno da manhã, vimos cada detalhe, desde a bela igreja, até o galpão de festas e um campo de futebol, então seguimos viagem, pois esta era apenas a segunda estação, de quatorze que percorreríamos naquele dia. Abaixo, segue um texto publicado no portal GCN de Franca em 2006, que ilustra bem a história do lugar. Eu gostei.

A Secretaria de Educação e Cultura de Cristais Paulista desenvolve o Projeto Memória, que conta a história da criação do município, e, como não poderia deixar de ser, um tópico inteiro é sobre a Chave da Taquara. Um dos entrevistados é Dahul Pelizaro, antigo morador que conta com emoção sobre a época em que sua família se instalou no bairro rural. Do tempo de sua infância ele recorda da escola, da Festa Bom Jesus da Lapa e, é claro, do trem de ferro, a maior atração do vilarejo. Por volta de 1905, os avós de Pelizaro se mudaram da Itália para o Brasil para trabalhar nas lavouras de café e acabaram se instalando na região da Chave da Taquara. Com o passar dos anos, a família comprou um pedaço de terra no vilarejo, no qual construiu uma casa onde hoje reside a família de Júlio Pelizaro, tio de Dahul. Na época, o trem já estava em operação. Foi justamente por conta do trem de ferro que surgiu o nome do bairro. “A Maria-fumaça parava no vilarejo para se abastecer de mais madeira. No local, também ficava a chave para o desvio do trem e como tinha muito bambu lá, então ficou Chave da Taquara (espécie de bambu)”, explica o antigo morador. Os anos passaram. Hoje não tem mais Maria-fumaça, não tem mais bambu, mas o nome e as histórias ficaram. Dahul Pelizaro lembra, por exemplo, do tempo em que se gastava mais de 1h30 para ir até Franca. Hoje praticamente em meia hora já se chega à cidade. A animação no bairro ficava por conta das festas de Bom Jesus da Lapa, que aconteciam uma vez por ano. A data era e, é até hoje, 6 de agosto. Também foi motivo de festa a chegada da luz elétrica ao bairro. Por volta de 1960, os moradores trocaram as lamparinas pelas lâmpadas, mas a rua continua às escuras, dando ao lugar um “jeitão” de fazenda.

IMPORTANTE: NESTE DIA, PERDI TODO O MATERIAL CAPTADO PELO CELULAR (E O PRÓPRIO CELULAR), POR ISSO, CONSEGUI APENAS DISPONIBILIZAR AS IMAGENS FEITAS COM A “GOPRO” QUE, SE NÃO É O EQUIPAMENTO IDEAL PARA ISSO, PELO MENOS GARANTIU ESTA POSTAGEM.  

FOTOS DO LOCAL:


 

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
CHAVE_TAQUARA_POSTER_OFICIALnet

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

1Comentários

  1. 28/02/17 às 2:02
    marcos antonio silva:

    aqui o tempo ja determinou sua desativação por completo nem os trilhos nem a historia ferroviaria foi resgatada nessa região o que falar não e mesmo. abs marcelo de marcos silva carapicuiba sp.

Deixe seu Comentário