Posts encontrados na categoria: MG

22/11/16

ITAÚ DE MINAS

POSTER ITAU

Era um dia maravilhoso e passávamos por Itaú de Minas seguindo para Furnas, daí o mais natural foi realmente pararmos para conhecer aquela joia que é a velha estaçãozinha da Mogiana em terras mineiras. Tudo muito conservado (fora reformada recentemente), linha, vagões, plataforma, postes, placas, caixa-d’água, dísticos… Nossa, quanta memória preservada! Estavam comigo amigos queridos e exploramos cada detalhe que ela nos permitiu. Fotos, vídeos, conversa com moradores, o sol no rosto, enfim, tudo fluiu de maneira perfeita naquele dia e lugar. Itaú foi inagurada em 1921, batizou a cidade e também a indústria de cimento que se localizava ali ao lado da estação. Itaú foi de fato, ponta do ramal de Passos por anos… >>

03/09/16

CATITÓ

POSTER CATITO

Chegamos a Catitó depois de muitas tentativas e erros durante o percurso, vindos de Guaranésia. Ao chegarmos, nos demos conta do quão importante é, quando as pessoas tem noção do valor histórico de uma construção daquele porte. Chegamos, entramos, descemos da “Pretona” e fomos andando lentamente até o prédio, sempre de forma pausada e curtindo cada detalhe daquele lindo e conservado lugar. Obviamente fomos tirando fotos e filmando com o celular a beleza do prédio e o seu entorno, sempre tomando todo cuidado para não interferir na privacidade de ninguém e muito menos invadir um lugar particular, mas ao mesmo tempo, documentando para compartilhar a beleza histórica de tudo aquilo ali, com pessoas, que talvez, nunca teriam essa possibilidade… >>

30/08/16

TAGUAÚNA

TAGUAUNA

Íamos para um encontro anual em Furnas. Encontro de amigos de longa data e foi então que convenci alguns deles a me acompanharem nessa busca pela estaçãozinha de Taguaúna, a fim de resgatar um pouco da nossa memória ferroviária, levar um pouco de cultura aos amigos (que estavam a procura de um bom final de semana regado a cerveja e churrasco) e também espairecer um pouco a mente, andando pelos caminhos que outrora foram de ferro, hoje como pude ver de perto, são de terra e mato. Taguaúna é um prediozinho pequeno, no meio de uma propriedade particular cercada e, para entrarmos lá, tentamos pedir autorização, mas não encontramos ninguém próximo. Bem, daí, o que nos restou, foi atravessar a cerca de arame farpado e seguir mato adentro em direção do que achávamos ser o local exato da pequenina. E era! Taguaúna está em ruínas, mas seus dísticos ainda estão lá, legíveis e imponentes, pois não foram apenas pintados nos frontões, mas sim, esculpidos em relevo, o que deu vida “quase” eterna a eles…>>

02/09/14

BAUXITA

BAUXITA

Bauxita é um lugar impressionante, e ter estado lá, me trará boas recordações até os meus últimos dias. A brisa fria batendo no rosto, a composição, os vagões-gôndola cheios e estacionados, as locomotivas velhas e surradas porém ativas, a estação fechada mas ainda com vida e utilidade, os amigos por perto, tudo conspirava para que aquele dia fosse incrível. E foi. Andamos por lá, vimos tudo, a estação pintada nas cores da concessionária, os dísticos em branco, a plataforma, as lousas, as mãos-francesas suportando a cobertura, o enorme pátio e seus desvios, a vila ferroviária atrás do prédio da estação, enfim, por lá o clima férreo imperava, ufa, que delícia! Neste dia nos acompanharam grandes e inesquecíveis amigos que pesquisam o tema e cuidam de manter viva a memória daquele trecho: o Douglas Bulhões, o Junior Alvarenga (Indiana) e o Luis Fernando Pecchiore Bastos, este último, um expert no Ramal de Caldas…>>

03/08/14

ALFA

ALFA

O dístico estava quase que totalmente apagado, mas com uma dose de boa vontade, ainda era possível ler a palavra “Alfa” grafada ali. Andei pelo local, vi a estaçãozinha por todos os seus lados, ela estava cercada e fechada, servia como residência, mas aparentemente não havia ninguém lá naquele momento. Nada de lousas, placas ou plataforma, somente o prédio de tijolos aparentes com uma cerquinha branca, ocupavam o local. A construção, bem simples e diminuta, lembra uma “casinha de bonecas”… >>

29/07/14

MONTE CRISTO

MONTE CRISTO

A plataforma coberta, ainda se encontra em bom estado, as lousas de avisos também ainda resistem, os dísticos nos frontões, os recuos por onde passava o leito da linha, enfim, é um lugar que foi minimamente preservado. Não soube o motivo da reforma, nem o grau dela, e nem o quanto desfiguraria o local, mas não me pareceu que iriam mudá-la estruturalmente, e torci para que não mudassem mesmo… >>

10/01/14

ITAGUABA

ITAGUABA

Itaguaba está localizada entre as estações de São Sebastião do Paraíso (Mogiana) e a do Morro do Ferro, ambas também já visitadas por este Projeto. Para chegarmos até lá, passamos por inúmeras paisagens lindíssimas, típicas daquela região montanhosa e cafeeira do sul de Minas Gerais. Vínhamos do Morro do Ferro e quando localizamos Itaguaba e foi uma sensação bastante gratificante. Abandonada, ela encontra-se ao lado de algumas casas (chácaras, sítios?) e com uma placa novinha em folha de propriedade do DNIT fixada na parede. Por lá, vimos a caixa-d’água, a lousa pichada com a quilometragem original (alguém pichou, mas com uma função nobre/informativa/histórica), a plataforma ainda em pé… >>

20/12/13

SANTA ESMÉRIA

SANTA ESMERIA

Era bastante improvável que a estação ficasse aonde estava inicialmente marcada no mapa (vide imagem abaixo), pois era morro acima, e num grau de elevação muito além dos padrões normais que uma ferrovia sem cremalheira suporta. Da primeira vez, encontramos um senhor que estava exatamente no local aonde deveria estar a estação, e ao ser questionado por mim, disse que ela tinha existido sim por ali, mas era mais para baixo, a uns 500 metros. Desconfiado de que ele não nos queria xeretando nada por lá, fui até o local apontado e nada encontrei… >>

11/12/13

CORONEL MANOEL JOAQUIM

CEL_MANOEL_JOAQUIM

Como não é nosso hábito invadir propriedade de ninguém, documentamos o pouco que pudemos ver e seguimos adiante na nossa jornada. Por lá, vimos a estação ainda com o dístico, porém apagado, uma casinha menor pouco à frente, e a antiga caixa-d’água (Ransomes & Rapier, claro), mas tenho a impressão de que vimos mais a parte dos fundos do prédio do que a frente, e sendo assim, não pudemos saber como está a plataforma… >>

28/11/13

PALMÉIA

PALMEIA

Estivemos em Palméia e pudemos documentar “in loco” as reais condições da velha estação da Cia. Mogiana em terras mineiras. Palméia a princípio estaria em terras pertencentes à Monte Belo, mas durante nossa pesquisa percebemos que ela estava em território de Muzambinho, cidade vizinha e então corrigimos o curso das coisas. É um vilarejo (não sei se é um distrito ou somente uma vila), bastante simpático e quando lá estivemos, possuia um clima bem agradável, um vento gostoso que dava um ar de frescor e liberdade… >>