Posts encontrados na categoria: M

05/07/17

MESTRE NOGUEIRA

MESTRE NOGUEIRA

O que mais me causou curiosidade (vejam o mini-filme), foi a televisão solitária no chão da sala de espera, possivelmente aguardando espectadores? Rerere… Depois dessa cena “Sui generis”, fui atrás de alguém que, por ali, pudesse me dar maiores detalhes e histórias do lugar, mas fora os cães, não encontrei ninguém ali naquele momento. Mestre Nogueira está lá, ainda em pé, desprovida de função prática, mas segue forte, como um corpo doente, frágil e esquecido por todos. Triste assim, mas real. De lá segui meu caminho, sempre correndo para aproveitar a luz do Sol e documentar mais uma estação…>>

28/06/16

MARACAJU

MARACAJU

Andei por lá, vi tudo com cuidado, cada detalhe, desde a plataforma, passando pela enorme e ainda imponente caixa-d’água com a inscrição “NOB”, pela “garagem” do auto de linha em bom estado bem em frente à estação, procurei o triângulo de reversão que já não existe mais, mas seu local está lá, tomado parcialmente pelo mato, dísticos ainda sobrevivem, enfim, pelas imagens que captei vocês terão uma ótima ideia do estado do local. Nunca fui um romântico e entendo perfeitamente as circunstâncias que levaram muitos trechos, ramais, linhas-tronco à extinção, mas não me peçam para ignorar isso. Simplesmente não consigo. É muito valor, história, trabalho e vida sendo destruídos pela falta de criatividade e capacidade de gestão do bem público… >>

29/07/14

MONTE CRISTO

MONTE CRISTO

A plataforma coberta, ainda se encontra em bom estado, as lousas de avisos também ainda resistem, os dísticos nos frontões, os recuos por onde passava o leito da linha, enfim, é um lugar que foi minimamente preservado. Não soube o motivo da reforma, nem o grau dela, e nem o quanto desfiguraria o local, mas não me pareceu que iriam mudá-la estruturalmente, e torci para que não mudassem mesmo… >>

24/12/13

MOCOCA

Vista da antiga plataforma.

É um lugar de acesso controlado e para entrar lá, tivemos que colocar em prática nossas habilidades sociais. Tentei por vezes argumentar com o porteiro, que me deixava solenemente falando ao vento, acerca da importância do Projeto e o legado (palavra da moda) que ele deixaria, mas nada disso tocou o coração seco do obtuso ser, porém foi neste último momento que tudo mudou, a poucos metros atrás de mim, estava o responsável por todo o local e me ouviu tentando explicar os porquês do Projeto e a necessidade da entrada para que fizéssemos fotos e vídeos, e então ele me chamou, e fez o convite: “Entre, vou te mostrar tudo por aqui!”. daí por diante, a coisa toda mudou, o obtuso de plantão se transformou na pessoa mais interessada do mundo pelo tema ferroviário… >>

22/12/13

MORAES SALES

Prédio com telhado duas águas, padrão Mogiana.

A estação pode ser vista de longe, da pista que liga o distrito de Igaraí a Tapiratiba, está dentro de uma fazenda chamada São José, praticamente ao lado da pista do seu aeroporto particular. Para chegarmos até ela tivemos que pedir autorização, que nos foi prontamente concedida e pudemos documentar o velho prédio da Cia. Mogiana. Situada entre Júlio Tavares e Itaiquara, Moraes Sales serve como moradia, estava fechada e cercada por bambus ressecados… >>

15/12/13

MONGAGUÁ

MONGAGUA

É claramente um monumento ao pragmatismo e à ausência de memória pois, pelos relatos que li, passaram muitas histórias de vida e de progresso por aquele trecho. Quem sabe se um museu se instalasse ali… enfim. Mas daí quem sustentaria o museu num país de valores tão… digamos, rasos, como o nosso não é mesmo?

15/07/13

MATO SECO

MATO SECO

Andamos por lá, conversamos com as pessoas do bar, que nos deram boas informações e até nos ofereceram uma “legítima telha francesa inteira” como souvenir do local, mas o difícil foi encontrar em meio a tantos cacos, uma realmente inteira. Mesmo sem encontrar o nosso presente, documentamos a estação, suas placas, portas, linhas, desvios, frontões, dísticos (ainda legíveis) e até mesmo os postes da antiga eletrificação, que “enfeiam” bastante o local. Como não poderia deixar de ser, sentamos no bar para contemplarmos Mato Seco da melhor maneira possível, tomando cervejas estupidamente geladas, afinal de contas, ninguém é de ferro né? Ainda mais sob aquele calor brutal, e de lá, seguimos para Miragaia… >>

13/07/13

MONTALVERNE

MONTALVERNE

Montalverne foi uma estacão daquelas difíceis de encontrar. Uma porque já não existe mais, e outra, porque ninguém sabia ao certo o local aonde ela teria existido. Ainda assim, mediante às informações que tínhamos, fomos atrás, e mais uma vez, a combinação: Google + Google Earth + Wikimapia + Site Estações Ferroviárias do Brasil + Pesquisa de campo no local + Perguntas e perguntas, nos fez bem sucedidos no nosso objetivo. Por lá, nada restou a não ser alguns amontoados de pedras, resquícios da demolição do prédio e plataforma realizada pela prefeitura, para evitar que indigentes tomassem posse dele. Na referência encontrada nas nossas pesquisas (Wikimapia), a localização indicada está a uns 300 ou 400 metros do local exato… >>

09/07/13

MANDEMBO

MANDEMBO

Sua função talvez seja atingir em cheio os corações de quem os observa, pois não passam de restos esquartejados de um passado que não volta mais. Plataforma, mãos-francesas, telhado, caixa-d’água, trilhos, dormentes, vila, tudo lá, como num diorama… forte, colorido, vivo, porém ao mesmo tempo definhando. Estar lá foi vivenciar um turbilhão de sensações múltiplas, contraditórias, introspectivas e porque não… indescritíveis.

08/06/13

MANOEL DA NÓBREGA

MANOEL DA NOBREGA

Manoel da Nóbrega é a estação do Ramal de Juquiá mais distante do litoral em que fomos naquele dia. Ela fica depois de Martim Afonso, no sentido de Musácea, e está localizada numa região tomada por plantações de bananas. É um prédio tímido, com uma cobertura de telhas de amianto, com placas já desgastadas e nomes pouco legíveis… >>