Posts encontrados com a Tag: ""

USAQUÉN*

ESPECIAL COLÔMBIA
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN USAQUÉN / Maio de 2013
A estação Usaquén tem um passado confuso, mas pelo que entendi, foi construída por volta de 1953, pela empresa Ferrocarril de La Sabana de Bogotá, juntamente com outras estações ao Nordeste da capital colombiana. Hoje ela faz parte do roteiro do Tren Turistico de La Sabana, sendo a primeira parada após a Estación de La Sabana situada no subúrbio de Bogotá. A empresa Turistren é a responsável pelo trajeto e mantém um passeio turístico que vai de Bogotá à Zipaquirá, aonde existe uma catedral construída no interior de uma enorme mina de sal. Não pude ir até lá, mas dizem ser incrível. Usaquén está bem conservada e lembra muito as estações da região de Campos do Jordão, pelo seu estilo arquitetônico, e o fato de ficar no meio de enorme edifícios na zona urbana, ressalta o contraste marcante entre o clássico e o moderno. Eu gostei.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

PUERTO MADERO*

ESPECIAL ARGENTINA
Nas seções especiais, diferentemente das demais, o intuito é mostrar de forma rápida, algumas estações em que estive fora do Brasil. É somente uma forma de compartilhar informação e vivências acerca do tema ferroviário, de forma breve, leve e descontraída. Espero que curtam.

 

ESTACIÓN PUERTO MADERO / Dezembro de 2010
A estação Puerto Madero foi inaugurada em 1949 e anteriormente chamava-se 1º de Marzo. Está localizada no bairro homônimo, onde hoje estão localizados muitos restaurantes, lojas e concessionárias de automóveis de altíssimo luxo. Fica atrás da Casa Rosada, sede do governo argentino e pelo que pude ver, não está mais sendo utilizada, embora esteja bem conservada. Abaixo seguem fotos e o mapa de sua localização:

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

PERUS (E.F.P.P.)

DATA DA EXPEDIÇÃO: 05.11.2012
DESTINO: Estação Perus (E.F.P.P.)
LOCALIZAÇÃO: Município São Paulo – SP
COORDENADAS: 23°24’17.64″S 46°45’13.90″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1914
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Perus-Pirapora
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, porém fechado e cercado
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Pedro Gandra de Carvalho e Vinicius Costa

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Fomos até a estaçãozinha de Perus da antiga E.F.P.P. (Estrada de Ferro Perus-Pirapora), que atualmente está localizada dentro de uma estação maior e muito mais movimentada, que é a de Perus ex-S.P.R. (São Paulo Railway), hoje da C.P.T.M. (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), aonde o fluxo de pessoas e a movimentação de trens é impressionante. Por lá, ainda encontram-se resquícios de um passado bem característico, como a tradicional passarela de ferro da São Paulo Railway ligando as duas enormes plataformas, algumas placas e claro, o predinho da estação Perus-Pirapora, este sim, simples, pequeno e bastante acanhado, com um telhadinho duas águas, cercado por todos os lados, tendo sido literalmente “engolido” pela cobertura da plataforma principal da C.P.T.M. Não conseguimos entrar, mas vi um funcionário sair de lá com produtos de limpeza, e logo em seguida, outro entrar para pegar mais, portanto imagino que ele seja usado hoje, como depósito, almoxarifado ou algo semelhante. Para quem for até lá, o predinho fica a uns 50 metros dentro da plataforma principal, praticamente anexado ao prédio da estação da C.P.T.M., vale como curiosidade, pois pouco se vê dele, e informações ao seu respeito praticamente não existem por lá. De lá, seguimos para a estação Luz…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER PERUS EFPP

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

EMAS

DATA DA EXPEDIÇÃO: 02.11.2012
DESTINO: Estação Emas
LOCALIZAÇÃO: Município Pirassununga – SP
COORDENADAS: 21°93’91.84″S 47°36’55.85″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1886
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em ruínas
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Claudinéia de Marchi, Thiago Samarino Lages, Roseléia Pereira, Fabiano Pessôa, Priscila Savoia, Christiano Pessôa, Juliana Grisi, Felipe Pessôa, Diego Costa e Valter Fabrício Dari

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
A estação Emas está atualmente localizada dentro da antiga Fazenda da Barra, hoje, da A.F.A. (Academia da Força Aérea), e isso, por si só já dificultava e muito a nossa tarefa de documentá-la. Por lá tudo é controlado, re-controlado e o acesso é extremamente difícil (provavelmente Emas, seja a estação em que eu tive a maior dificuldade de acesso dentre todas as visitadas até agora), obviamente por ser uma área militar e estratégica. Como nossa missão lá era de paz, cultural, educacional e histórica, conseguimos o acesso e pudemos documentar mais este ponto remoto da era de ouro da Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Hoje o prédio está abandonado, em ruínas e fica bem em frente ao grande armazém de tijolos aparentes aonde, provavelmente eram estocadas as cargas que seguiam para o Ramal de Descalvado ou outros destinos próximos. A estação está ainda com as coberturas, tanto do prédio quanto da plataforma, os dísticos apagados porém ainda lá, boa parte do assoalho de madeira foi-se há algum tempo, os pilares da plataforma feitos de trilhos também seguem resistindo, vimos telhas francesas legítimas de Marselha em cacos, jogadas pelo chão do armazém, portas e janelas lacradas por algumas tábuas, imagino que, para evitar a entrada de estranhos, mas me pergunto: “Que estranhos entrariam ali, numa instalação militar, supervigiada e toda cercada?”. Próximo ao prédio da estação, ainda há uma casa que imagino ter sido do chefe da estação, ou mesmo de alguma turma de conservação de linha (vulgo “conserva”), porém tudo tomado pelo mato, conserva, estação, armazém, e partes do leito da antiga linha. Nada de placas de quilometragem, nem de altitude e também não vi a caixa-d’água. Por lá, os trens de passageiros cessaram por volta de 1976 e a linha foi extinta na década de 80. Partindo de Emas sentido Baguassu ainda existe uma bela ponte de ferro por onde, ainda hoje circulam caminhões carregados de cana, aonde numa expedição anterior, encontramos algumas pegadas enormes, que na hora, pensamos ser de lobo, onça ou até mesmo lobisomem, rerere… brincadeiras à parte, vejam a estação Baguassu e tirem suas próprias conclusões. Foi um dia incrível, com uma expedição familiar, que partiu de um almoço na cachoeira e culminou na estação mais rara já documentada por este projeto… até agora.

* Agradecimentos especiais ao Fabiano Pessôa, Christiano Pessôa e Diego Costa, cuja ajuda foi fundamental para que este post tivesse sido produzido.

CURIOSIDADE SOBRE A LOCALIZAÇÃO:
EMAS_EARTH

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER EMAS

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

PERUÍBE

DATA DA EXPEDIÇÃO: 11.02.2012
DESTINO: Estação Peruíbe
LOCALIZAÇÃO: Município Peruíbe – SP
COORDENADAS: 24°19’7.90″S 47° 0’27.95″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, porém só em alguns trechos
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1914
CONSTRUÇÃO: Southern São Paulo Railway
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, restaurado e servindo à prefeitura local
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
A estação de Peruíbe passou por uma reforma há pouco tempo, cerca de três anos se não me engano, e hoje, serve como um departamento da prefeitura. Estivemos lá, vindos de Ana Dias, num dia de chuvoso e nublado, mas ainda assim, conseguimos colher fotos e boas imagens do local. É uma estação pequena, porém o espaço à sua frente é amplo, o que dá a impressão de que ali havia um pátio de manobras com dois ou três desvios talvez. Andamos por lá, vimos o prédio pintado de amarelo escuro, um tom meio ocre, cor diferente das originais, que eram branco e azul, também vimos a plataforma, a placa de quilometragem sem altitude, mas não me recordo de ter visto a caixa-d’água por lá. Uma pequena casinha ao lado da estação me chamou bastante a atenção, por ser simétrica, com um telhadinho de duas águas, enfim, uma charme só. Por isso utilizei-a no poster, para representar o local, ela estava trancada, mas imagino que deva ser uma espécie de depósito. Atrás da estação passa uma avenida bem movimentada e como já disse, o largo à sua frente valoriza aquele sentimento saudosista, que sempre nos traz a sensação de que uma hora o trem surgirá lá ao longe da linha (que ainda está lá em alguns trechos), apitando e trazendo gente, carga, histórias e… esperança.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER PERUIBE

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

RAPOSO TAVARES

DATA DA EXPEDIÇÃO: 11.02.2012
DESTINO: Estação Raposo Tavares
LOCALIZAÇÃO: Município Itariri – SP
COORDENADAS: 24°17’44.48″S 47° 8’19.89″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim, porém só alguns trechos
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1929
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Sorocabana
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, mal conservado e funcionando como bar
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Raposo Tavares é uma vila de Itariri, que é uma cidadezinha situada logo após Peruíbe, para quem segue no sentido de Juquiá. Sua estação fica bem em frente a um campo de futebol e ao lado de um bar, construído num anexo do prédio da própria estação. Fomos até lá e constatamos o estado real da estaçãozinha, que apesar de desativada por volta de 2003, ainda está de certa forma conservada, visto o estado deplorável de outras ali mesmo naquela região. Placas de altitude e quilometragem, plataforma coberta, trilhos sob o mato, tudo isso está ainda lá, bem em frente de onde era o pátio de manobras, hoje destinado ao lazer, com um campinho de futebol improvisado, aonde os moradores locais “batiam uma bolinha” (vide mini-filme). Andamos por lá, colhemos os filmes e fotos e seguimos em frente. Raposo Tavares não oferece grandes predicados, mas sua estação ainda é capaz de despertar emoções, mesmo em quem nunca viveu por ali.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.
POSTER RAPOSO TAVARES

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.