Posts encontrados com a Tag: ""

ARARAQUARA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 27.12.2011
DESTINO: Estação Araraquara
LOCALIZAÇÃO: Município Araraquara – SP
COORDENADAS: 21°47’43.80″S 48°10’16.31″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim (em uso)
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1885
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Rioclarense
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, hoje é um museu e também um depósito de material rodante
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Daniel Franc e Vinicius Costa

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Araraquara para nós era como a Disneylândia para um grupo de crianças. Nem o pneu furado do “Pretinho” logo no começo da expedição fez com que desistíssemos do objetivo. A estação de Araraquara é hoje um museu da ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária) dedicado a riquíssima história ferroviária da cidade, região e de todo o estado de São Paulo. Andar por lá foi uma aventura inesquecível, fizemos de tudo, conhecemos o museu, a sua história, vimos detalhes de trens em ação, vimos pedaços da história em diferentes momentos, andamos em cima de vagões, dentro de locomotivas abandonadas e captamos muito da essência daquele lugar nas nossas imagens e vídeos. Hoje tudo no pátio de Araraquara beira o abandono, exceto a linha tronco e as composições novas da ALL e Rumo que vimos manobrando por lá. Conhecer Araraquara foi emocionante, vejam a galeria de fotos e o mini-filme e me digam se não é mesmo uma Disneylândia para os aficcionados por trens? De lá seguimos para Bueno de Andrada em busca de coxinhas… ops, de histórias ferroviárias.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

ILUSTRAÇÃO DO LOCAL:
Tendo como base as imagens reais de cada local colhidas pelo Projeto Estações Brasileiras, eu desenvolvo uma ilustração que retrate emocionalmente o espírito de cada estação/parada, ou mesmo do seu entorno, no caso de já não existirem mais. A intenção é que sirva de estímulo para a interpretação crítica de cada um, seja de forma positiva, negativa, carregada de saudosismo, ou mesmo de forma contemplativa apenas. Espero que curtam.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

BUENO DE ANDRADA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 27.12.2011
DESTINO: Estação Bueno de Andrada
LOCALIZAÇÃO: Município Araraquara – SP
COORDENADAS: 21°40’9.34″S 48°14’46.26″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim (em uso)
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1898
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Araraquara
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, serve hoje como cartório e sub-prefeitura
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Daniel Franc e Vinicius Costa

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Fomos até Bueno de Andrada já sabendo um pouco sobre as suas famosas “Coxinhas Douradas”, que dizem por aí, são deliciosas. Mas como nosso intuito principal era a busca de informações sobre a história da estaçãozinha da E.F.A. e não encher nossas respectivas barrigas de coxinhas, a gente foi atrás de documentar cuidadosamente a estação, para quem sabe, depois experimentarmos tal iguaria. A estação serve hoje como sub-prefeitura e cartório, está bem cuidada e o trem (cargueiro) ainda passa por ali. Quando estivemos lá, pudemos ver a passagem de um comboio puxado por uma Dash 9, já com o novo padrão visual da Rumo, que convenhamos, ficou lindo. Andamos por lá, ouvimos algumas histórias, fotografamos, filmamos, mas uma coisa nos perseguia o tempo todo desde que chegamos lá… sim, as benditas coxinhas douradas. Enfim, não resistimos, comemos coxinhas, bebemos cervejas e apreciamos a passagem da longa composição da Rumo Logística, poucos metros a nossa frente. Bueno de Andrada valeu cada minuto e de lá seguimos para Silvânia…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

SÃO CRISTÓVÃO

DATA DA EXPEDIÇÃO: 17.01.2012
DESTINO: Estação São Cristóvão (Parada)
LOCALIZAÇÃO: Município Campos do Jordão – SP
COORDENADAS: 22°45’43.38″S 45°36’28.94″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim (em uso)
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1931
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Campos do Jordão
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, conservado e em uso
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
São Cristóvão é a última parada do bonde urbano da E.F.C.J. que tem o seu ponto de partida na estação Emílio Ribas, situada no bairro de Capivari. São Cristóvão é uma parada simpática bem em frente a uma lagoa e atrás de um centro de lazer, num local já um pouco afastado da cidade. Como quase todas as paradas do trajeto da Estrada de Ferro Campos do Jordão, ela fica numa região linda e isso já é motivo suficiente para que seja visitada sempre que possível. O mapa do Google Earth que disponibilizo não oferece boa imagem (nuvens encobrem o local exato), por isso sugiro que, quem quiser ir até lá, siga as indicações que levam até o centro de lazer Tarundu, pois São Cristóvão fica a poucos metros da sua portaria. Vale a visita.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

IPAÚNA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 03.12.2011
DESTINO: Estação Ipaúna
LOCALIZAÇÃO: Município Serra Azul – SP
COORDENADAS: 21°14’12.01″S 47°32’28.41″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1907
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro São Paulo e Minas
STATUS DO PRÉDIO: Demolido, restou somente a caixa-d’água
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, José Antonio Thomaz e Vinicius Costa

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Todos os mais velhos do local se referiram a ela como Serrinha, mas o nome que a acompanhou até os seus dias finais foi Ipaúna. Como uma estação de entroncamento da E.F.S.P.M. que foi, a área que ela ocupava era grande, estivemos lá, andamos pelo local, buscamos informações com os moradores, mas a maioria deles (residentes ao redor do local da antiga estação) nada sabia a respeito de Ipaúna, Serrinha ou qualquer outro nome que possa ter sido dado à aquela estação. Hoje existem uma igreja envangélica, uma escola e um galpão no local onde se encontrava o prédio de Ipaúna, as marcas do antigo leito, se procuradas cuidadosamente por debaixo do mato, ainda devem estar por lá, mas nada restou de fato, a não ser a antiga caixa-d’água, que sinceramente, não fosse por ela, jamais diríamos que em algum momento, existiu estação ferroviária por lá. Bem, de lá fomo tomar nosso café da manhã típico, em algum lugar antigo da cidade, que além de matar nossa fome, também pudesse nos render bons “causos”…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

PAGÉ

DATA DA EXPEDIÇÃO: 17.01.2012
DESTINO: Estação Pagé (Parada)
LOCALIZAÇÃO: Município Santo Antônio do Pinhal – SP
COORDENADAS: 22°48’45.55″S 45°37’45.49″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim (em uso)
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1945
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Campos do Jordão
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, conservado, porém sem utilização
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Diferentemente de outras paradas e estações que visitamos, Pagé, apesar de pequena e de difícil acesso, foi uma linda e grata surpresa. Para se chegar até ela, tivemos que subir por uma encosta de morro que fica do lado direito, antes do primeiro pontilhão de cruzamento com a linha férrea (para quem segue de Campos do Jordão sentido Pindamonhangaba). Subimos com a “Pretona” até onde deu, depois seguimos a pé pelo leito da linha até o local exato da parada. Contar nunca é a mesma coisa, mas mesmo assim, vou insistir, por lá, as paisagens são abundantes, a cada dormente que avançamos é uma vista privilegiada que guardamos na memória, e assim seguimos morro acima até Pagé. Chegando até ela, pudemos notar o seu estado de conservação (muito bom por sinal, para um lugar ermo e de acesso bem complicado), logo a frente uma placa de quilometragem cercada por flores, e ainda andando um pouco mais, uma  grande casa da E.F.C.J. que provavelmente era da turma de conservação da linha (vulgo “Conserva”). Pagé é isso, uma cobertura despretensiosa no meio de um corte do morro, onde por sorte, o trem (turístico) ainda passa, e assim sendo, ela ainda pode se exibir. Eu indico para os mais animados, que deixem seus carros por um breve momento (sim, em menos de uma hora, se vai e volta até Pagé) e se permitam uma caminhada até a velha parada (vide coordenadas acima e mapa detalhado abaixo). É gratificante, sem contar que desperta uma sede gostosa, para ser aplacada com uma bela cerveja alemã lá em cima do Morro.

FOTOS DO LOCAL:


MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

VIOLA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 18.01.2012
DESTINO: Estação Viola (Parada)
LOCALIZAÇÃO: Município Campos do Jordão – SP
COORDENADAS: 22°44’33.97″S 45°35’46.19″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim (em uso)
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1960
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro Campos do Jordão
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, servindo de abrigo
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Claudinéia de Marchi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Viola é uma parada localizada na avenida Januário Miráglia em Campos do Jordão, sem grandes predicados estéticos. Hoje, é ponto de encontro de toda sorte de pessoas, já não serve mais como parada da E.F.C.J. há algum tempo, e quando estivemos por lá, estava fedendo, pichada e com um aspecto de abandono (mesmo estando numa área bastante movimentada da cidade e com pessoas o tempo todo ao seu redor). Viola um dia deve ter sido interessante, ter tido histórias, ter feito parte de trajetórias e cotidianos, hoje certamente não mais. É somente uma cobertura ao lado dos trilhos, sem personalidade, sem vida e sem graça… o que é uma pena.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

MIRAMONTES

DATA DA EXPEDIÇÃO: 04.02.2012
DESTINO: Estação Miramontes (Parada)
LOCALIZAÇÃO: Município Franca – SP
COORDENADAS: 20°29’28.78″S 47°23’54.58″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1939
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Parcialmente em pé (restaram somente a plataforma e os postes da cobertura)
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Vinicius Costa, Pedro Gandra de Carvalho, Fábio F. Rivaben e Fernando F. Rivaben

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Miramontes é hoje uma plataforma no canteiro central de uma movimentada avenida de Franca. Completamente abandonada, está tomada pelo mato, e pelo que vimos, não representa mais nada para os moradores locais. Para nós, ela é e sempre será um ponto importante da Linha do Rio Grande, da Cia. Mogiana e também da história ferroviária do Brasil. Miramontes é uma base de cimento, com postes de ferro, que suportavam uma cobertura que já não existe, cercada por mato e nada mais. Possui algumas mesas e bancos de alvenaria, ainda dos tempos em que os aposentados a utilizavam como salão de jogos, fora isso, é só mais um resquício de história solto no tempo. Sem grandes encantamentos à sua volta, documentamos o local e seguimos adiante.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.