Posts encontrados com a Tag: ""

CORONEL JOSÉ EGÍDIO VELHA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 02.11.2011
DESTINO: Estação Coronel José Egídio Velha
LOCALIZAÇÃO: Município Tambaú – SP
COORDENADAS: 21°44’34.80″S 47°17’15.53″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1898
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, bem conservado e servindo de moradia para uma família
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, José Antonio Thomaz e Daniel Franc

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Coronel José Egídio Velha foi a última estação visitada por nós naquele dia, estávamos cansados e com sede quando chegamos até lá. Mesmo com o mapa, erramos o caminho algumas vezes, mas ao final tudo deu certo. Em Coronel José Egídio Velha, fomos muito bem recebidos pela Silvia, moradora da estação, que junto com a sua família nos mostrou tudo por lá. Acompanhados pelo pequeno e muito desconfiado Kauã Gabriel (vide fotos e mini-filme) fomos conhecendo o lugar, tendo a própria Silvia como nossa guia. Ela nos contou diversas histórias, nos mostrou por onde exatamente o trem passava, e algumas construções no fundo da estação que pareciam ser antigos tanques de lavar roupas e depois nos convidou para conhecermos a estação por dentro. Tudo muito limpo e bem conservado, sinceramente, era difícil de imaginar todo aquele cuidado vendo de fora, pois é um lugar afastado, de acesso complicado e um tanto ermo. A Silvia nos contou que sempre gostou de história e, que percebe no Brasil um país sem memória, por isso valoriza o trabalho de resgate histórico que estamos fazendo. Ouvir aquilo foi bastante gratificante. Prédio em pé, as lousas ainda lá, os dísticos também porém apagados, só as placas de quilometragem e altitude que não estavam mais por lá, disse-nos a Silvia que há alguns anos chegou um pessoal com uma caminhonete da ferrovia (quem terá sido?) perguntando sobre as tais placas, mas ela não sabia de nada. Visitar Coronel José Egídio Velha, foi algo além das nossas expectativas, foi a primeira vez na minha vida que matei a minha sede apenas com experiências de vida (até me esqueci da água). Valeu muito e de lá retornamos para casa.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

SUCURI

DATA DA EXPEDIÇÃO: 02.11.2011
DESTINO: Estação Sucuri
LOCALIZAÇÃO: Município São Simão – SP
COORDENADAS: 21°31’8.28″S 47°31’10.10″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1899
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, completamente reformado, hoje é propriedade  particular
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, José Antonio Thomaz e Daniel Franc

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Sucuri é um daqueles lugares encravados numa mata de eucaliptos que a gente tanto adora. Atolamos o “Pretinho” sem dó. Desta vez, o areião venceu e para sairmos de lá, tivemos que encontrar uma rota secundária, o que claro, garantiu mais emoção à expedição. Chegar até Sucuri foi relativamente tranquilo (já voltar foi uma outra história) o Daniel é ótimo navegador e o Tio Zé ótimo tio, com isso achamos fácil o destino, conseguimos boas imagens, mas também não pudemos descer do carro por motivo de força maior (pitbulls soltos no local). Sucuri hoje é um sítio particular, o prédio está bastante desfigurado, sua cor original foi alterada, foram construídos área de lazer, piscina e telhados ligando o prédio da estação às casas ao lado, enfim, tudo bem diferente do que era, mas bem cuidado. As lousas continuam lá e os emblemas da Mogiana também nas casas. Deu um tempero a mais à expedição, o treinamento aéreo que os cadetes da AFA executavam sobre nós, num dia maravilhoso de céu azul. De lá fomos para Tambaú…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

BENTO QUIRINO

DATA DA EXPEDIÇÃO: 24.09.2011
DESTINO: Estação Bento Quirino
LOCALIZAÇÃO: Município São Simão – SP
COORDENADAS: 21°28’46.61″S 47°58’6.54″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1902
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, muito bem conservado, serve como rodoviária do distrito
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e João Julio Oliveira

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Bento Quirino é um distrito de São Simão bastante querido por mim, era lá que costumava passar finais de semana junto com os meus pais, lá tinha uma prainha (no rio Tamanduá, se não me engano) onde a linha do trem passava por cima, bem ao lado de uma mineradora. Com 5 anos de idade e de dentro da água, eu olhava o tamanho dos trens na ponte e me impressionava, como tudo parecia enorme naquela época. Recentemente voltei lá mais 2 vezes, uma com a Néia e outra com o João Julio onde fotografamos e filmamos o local. Lá também (como em tantas outras estações) hoje funciona a rodoviária local, ao redor muitas casas com os emblemas “CM” da Cia. Mogiana, como podem ver nas fotos abaixo, e uma pequena locomotiva na entrada do prédio serve como recordação. A estação Bento Quirino é bem bonita, de acesso fácil e vale muito a visita. Já a tal prainha do rio Tamanduá que fica seguindo a antiga linha, bom, esta já não existe mais, assim como a velha linha…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

SÃO SIMÃO VELHA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 24.09.2011
DESTINO: Estação São Simão Velha
LOCALIZAÇÃO: Município São Simão – SP
COORDENADAS: 21°28’39.76″S 47°33’29.86″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1882
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, bem conservado, serve hoje como conselho tutelar e rodoviária da cidade
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e João Julio Oliveira

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
São Simão Velha é hoje um posto policial. Ao seu lado o conselho tutelar da cidade e a rodoviária ocupam o antigo e enorme armazém lateral. Relativamente bem conservados, os prédios seguem o padrão arquitetônico antigo da Mogiana, que sempre dá um ar mais nobre ao lugar, o local tem bastante movimento, a antiga caixa d’água também continua lá, assim como as lousas e placa de quilometragem. São Simão Velha ainda é útil, ainda pulsa vida por lá. De lá seguimos para São Simão Nova…

FOTOS DO LOCAL:


MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

SÃO SIMÃO NOVA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 24.09.2011
DESTINO: Estação São Simão Nova
LOCALIZAÇÃO: Município São Simão – SP
COORDENADAS: 21°29’14.44″S 47°33’21.78″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim (em uso)
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1971
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, segue em atividade, relativamente bem conservado
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e João Julio Oliveira

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
São Simão Nova é mais uma daquelas estações que fizeram parte do meu roteiro ferroviário infantil, por isso tenho grande apreço por ela. Lá hoje, o cenário é de abandono, o prédio fica ao lado de uma favela, moradores se instalaram bem próximo, praticamente dentro do pátio, o que gera um perigoso movimento de crianças por lá. A estação é pragmática, segue a linha arquitetônica moderna da Mogiana, ou seja, nada de forma, nada de beleza, só praticidade e função. Composições abandonadas complementam o lugar, dão um certo charme, mas um charme baseado em ferrugem, abandono, descaso, então pergunto: que charme é esse? Lá conseguimos boas imagens, boas fotos e uma boa história descrita no mini-filme acima, vale a pena assistir. De lá rumamos para Santos Dumont Nova…

FOTOS DO LOCAL:

 

 MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

GUATAPARÁ NOVA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 10.09.2011 e 29.09.2011
DESTINO: Estação Guatapará Nova
LOCALIZAÇÃO: Município Guatapará – SP
COORDENADAS:21°29’49.11″S 48° 2’25.70″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim (em uso)
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1973
CONSTRUÇÃO: Companhia Paulista de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, mal cuidado, abandonado, porém com moradores
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Jeferson Tomaz Querino, Fábio Cuervo e Vinicius Costa

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Guatapará Nova (Cia. Paulista) é uma depressão só, tudo abandonado, tudo fedendo, lixo por todo lado, prédio ruindo, cobertura enferrujada, enfim, coisa feia mesmo. Estive lá por 2 vezes, sendo uma com o meu sobrinho Jeferson e outra com os meus amigos “Venicius” e “Fabito” e em ambas comprovamos a mesma situação. Guatapará Nova tem um ar pesado, por lá nada parece dar sinais de melhora, mesmo com o movimento diário de trens carregados de açúcar, a velha estação que hoje serve somente como parada, é apenas um prédio morto e feio. Conversamos com os maquinistas da ALL, com o pessoal da manutenção da linha e sinceramente percebi que eles no seu dia-a-dia atribulado, mal percebem a velha estação por ali, é como se ela nem existisse. Eu achei triste, mas triste mesmo é o estado atual dela, uma pena.

FOTOS DO LOCAL:

 

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

EVANGELINA VELHA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 22.10.2011
DESTINO: Estação Evangelina Velha
LOCALIZAÇÃO: Município Ribeirão Preto – SP
COORDENADAS: 21°10’15.42″S 47°42’39.66″W
TRILHOS NO LOCAL: Não (absolutamente nada restou)
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1928
CONSTRUÇÃO: Estrada de Ferro São Paulo e Minas
STATUS DO PRÉDIO: Demolido, nada restou por lá
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e Jorge Luís Caleffi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
O local onde Evangelina Velha existiu é hoje uma enorme fazenda de cana, cercada por todos os lados e ir até lá não foi fácil não, mas conseguimos. Ao chegarmos no ponto exato da antiga estação, encontramos apenas um grande nada cercado de cana-de-açucar por todos os lados, foi frustrante. Nem escombros, nem entulho, nem nada, Evangelina Velha se foi e hoje deve descansar em paz debaixo de alguma curva de nível daquelas que vimos. Procurei ir até o local exato (que é bem no meio da cana, literalmente), revirei o chão em busca de algum sinal, mas nada. De lá, apenas os cortes no braço por causa das folhas da cana e o sentimento de missão cumprida por termos feito o que nos propusemos. Eu e o Caleffi então voltamos a pé até o “Pretinho” (meu Fox 1.0 como já disse anteriormente) e seguimos para Biagípolis, lá sim tivemos boas experiências…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

SANTA ROSA DE VITERBO

DATA DA EXPEDIÇÃO: 24.09.2011
DESTINO: Estação Santa Rosa de Viterbo
LOCALIZAÇÃO: Município Santa Rosa de Viterbo – SP
COORDENADAS: 21°29’4.11″S 47°21’36.14″W
TRILHOS NO LOCAL: Não (apenas um trecho decorativo em frente do prédio)
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1910
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, atualmente sendo utilizado como escola de música
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e João Julio Oliveira

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Chegamos em Santa Rosa de Viterbo já bastante cansados, vindos de Bento Quirino, São Simão (velha e nova), Cerrado, Santos Dumont (velha e nova), e encontramos uma bela estação, bem conservada (afinal lá é um “conservatório”, rerere… OK, me desculpem pela piada, mas não resisti), e ainda servindo à população. O acesso até lá foi tranquilo, pois o prédio fica dentro da cidade, seu estado de conservação é muito bom e as características originais também foram respeitadas. Até um pequeno trecho de linha foi feito em frente da estação, lembrando os idos tempos em que o trem passava por lá. Abaixo as imagens e acima o mini-filme complementam este relato. De lá, fomos tomar uma cerveja num depósito de bebidas da cidade, porque não encontramos nenhum restaurante aberto, mas valeu a pena, de tão gelada a cerveja quebrou o copo americano ao meio de forma milimetricamente simétrica. Imagino ter sido sinal de boa sorte, rerere…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

SANTOS DUMONT VELHA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 24.09.2011
DESTINO: Estação Santos Dumont Velha
LOCALIZAÇÃO: Município Santa Rosa de Viterbo – SP
COORDENADAS: 21°28’46.61″S 47°58’6.54″W
TRILHOS NO LOCAL: Não
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1898
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, aparenta estar bem conservado, hoje é um sítio particular
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz e João Julio Oliveira

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Santos Dumont Velha é hoje uma propriedade particular, lá não pudemos entrar e tivemos que fazer as imagens e fotos fora dos limites da cerca. Chegar até lá foi uma aventura, quase atolamos no areião das matas de eucalipto por diversas vezes. Encontramos a estação Cerrado por acidente, já que pensávamos ser a Santos Dumont Velha, chegamos até ela após mais de 40 minutos andando pelo meio da mata sem encontrarmos alma viva, mas tudo isso foi bem recompensado no final. É um prédio lindo, padrão antigo da Mogiana (afinal é uma construção de 1898), com uma enorme caixa d’água, algumas casas bem ao seu lado, que imagino terem sido de funcionários ferroviários da época, lá também estão os dísticos, as lousas, o leito da antiga linha, enfim, é um prato cheio para quem gosta do tema. O acesso é bem complicado, mas o Google Earth e a ajuda dos moradores da região facilitaram muito a tarefa. Era um calor intenso num dia lindo, valeu cada minuto. O João Julio fez lindas fotos (ele sim é fotógrafo, eu sou só um curioso), e de lá fomos para Santa Rosa de Viterbo…

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.

CRAVINHOS NOVA

DATA DA EXPEDIÇÃO: 27.08.2011 e 22.10.2011
DESTINO: Estação Cravinhos Nova
LOCALIZAÇÃO: Município Cravinhos – SP
COORDENADAS: 21°17’59.21″S 47°39’50.22″W
TRILHOS NO LOCAL: Sim (em uso)
ANO DA CONSTRUÇÃO: 1964
CONSTRUÇÃO: Companhia Mogiana de Estradas de Ferro
STATUS DO PRÉDIO: Em pé, abandonado, cercado e servindo apenas de parada
EQUIPE DE VIAGEM: Marcelo Tomaz, Jeferson Tomaz Querino e Jorge Luís Caleffi

O FILME:

RESUMO DA EXPEDIÇÃO:
Ir até Cravinhos Nova foi uma volta ao meu passado, quando chegamos lá, logo as recordações do tempo dos trens de passageiros da Fepasa me vieram à cabeça, tempos de viagens mensais entre Ribeirão Preto e Aguaí junto com o meu saudoso avô Pedro. A estação, relativamente moderna (já do padrão novo da Mogiana, que é bastante sem-graça perto das anteriores na década de 60), está em frangalhos, mas ainda em pé. Por fora aparenta certo cuidado, mas por dentro tinha apenas alguns cães e mais nada. Como passeio vale a pena, é um lugar bonito, em meio a morros, ao lado de um belo pesqueiro na estrada que liga Cravinhos à Serra Azul. A Estação de Cravinhos Nova ainda tem a caixa-d’água, a vila ferroviária, a linha em atividade com trens cargueiros circulando com frequência por ali, tem também um vagão abandonado, num desvio lateral também abandonado compondo o cenário, e o melhor, o acesso é todo por vias asfaltadas. Vale muito a pena passar uns 10, 15 minutos por lá. De lá seguimos para o Empório Mult Mix em Ribeirão Preto, onde finalizamos o dia com uma bela cerveja geladíssima e os já tão famosos comes do bar.

FOTOS DO LOCAL:

MAPA DO LOCAL:

POSTER DA ESTAÇÃO:
A cada estação visitada, seleciono uma imagem que julgo melhor refletir a expedição e a transformo num poster, unindo texto e imagem numa combinação de apelo bastante visual.

POSTERS VINTAGE:
São ilustrações com base fotográfica, que faço sobre algumas estações que representaram algo para mim. Também tenho feito sob encomenda para pessoas que querem presentear alguém ou mesmo simplesmente tê-las para recordação de algum momento marcante, ou apenas como decoração. Todo o valor obtido com a venda destas telas, é revertido integralmente para custear novas expedições do Projeto. Nada é destinado a mim ou ao meu sustento, para isso: eu trabalho.
COLLECTION_08

POST ABERTO À COLABORAÇÃO:
A partir da publicação de cada post inicial pelo autor, fica aberto aos colaboradores e interessados, o envio de materiais para mantermos atualizadas as informações sobre cada estação. Este site tem como principal objetivo resgatar através imagens, vídeos e textos um pouco da história ferroviária do país. Todo o conteúdo de cada post inicial é original e produzido pelo próprio autor e sua equipe de viagem, visando contribuir de fato, para o crescimento do acervo de informações sobre cada estação, sua história e seus personagens.